Uncategorized

A GR Gestão de Restaurantes lança novo site

Postado em

No último dia 29 de janeiro a GR Gestão de Restaurantes lançou seu novo portal. Além do novo design, mais leve e objetivo, o site oferece novas áreas para uma maior interação e comunicação com o cliente.

30012014c

No site é possível encontrar uma nova seção chamada “Você Pergunta” onde a GR responde às mais diversas perguntas dos leitores sobre Restaurantes e Bares.

30012014

A seção de “Classificados” ganhou maior destaque, apresentando os últimos restaurantes à venda logo na página inicial.

30012014a

E para você que não quer perder nenhuma novidade no mercado de gastronomia a seção de “Feiras e Eventos” também ganhou destaque na página inicial do site.

30012014b

E não para por aí. Em 2014 a GR trará novidades e novos treinamentos para o setor.

Comece o Ano de 2014 com um controle eficiente do seu Restaurante

Postado em

12112013z12Análise e Controle Financeiro para Restaurantes e Bares

Análise e Controle Financeiro para Restaurantes é uma ferramenta essencial para pequenas e médias empresas que desejam manter um controle eficiente do seu negócio. Com ferramentas de fácil utilização e uma metodologia de ensino bastante prática abordada em seu manual, este produto torna-se indispensável para quem deseja ter o controle financeiro do seu empreendimento. Clique aqui para adquirir.

Formato: CD/DVD

Ferramentas que compôem este produto:

- Análise de Fluxo de Caixa

- Custo Operacional

- C.M.V- Custo de mercadoria Vendida

- Análise Anual

- Projeção de Receita

- Projeção de despesas

- Gráficos comparativos

12112013z13

12112013z14

12112013z15

12112013z16

Adquira já o seu clicanco aqui

Como fornecer refeições Marmitex

Postado em

O manual contém 66 páginas e é fornecido em CD que acompanha planilha de fluxo de caixa e dois modelos de cozinhas semi-industriais.

Iniciar um novo empreendimento como fornecedor de marmitex pode ser uma boa alternativa para quem deseja ingressar no ramo de alimentação, mas não possui conhecimento na área ou capital suficiente para montar um pequeno restaurante. Este novo empreendimento pode se tornar a porta de entrada para o início de um grande negócio.

Este manual aborda todas as questões relacionadas ao fornecimento de marmitex. Saiba com formalizar seu novo empreendimento, aprenda a conhecer o mercado e como estruturar seu negócio para crescer e se tornar um empreendedor de sucesso.

Com uma abordagem bastante objetiva, o manual auxilia na formação de preço do marmitex, na administração básica do negócio com uma planilha de apoio para auxiliá-lo no lançamento de receitas, despesas e no fluxo de caixa. Traz também 30 sugestões de cardápios para colaborar na criação do próprio cardápio do estabelecimento.

calculo

Além disto, apresenta os tipos de embalagens de marmitex existentes no mercado, bem como utensílios e equipamentos necessários para da início ao seu novo negócio. A cozinha de uma pequena empresa de fornecimento de marmitex não demanda muito investimento, mas deve ser organizada de modo a facilitar na produtividade diária.

marmitex

Este manual contém dois modelos de pequenas cozinhas semi-industriais montadas exclusivamente para o fornecimento de marmitex dentro das normas de segurança e focadas numa produtividade eficiente.

projeto_cozinha

A divulgação do negócio, principalmente na fase inicial é fundamental. Conheça as técnicas de marketing mais utilizadas pelas empresas de fornecimento de marmitex , escolha a que melhor atende ao seu orçamento e esteja preparado para vender.

Aprenda os conceitos básicos de segurança alimentar para produzir refeições com qualidade e livre de contaminações, além de dicas essenciais para quem pretende se dar bem com seu novo empreendimento.

Para adquirir o manual basta clicar aqui.

Insetos enchem o prato de restaurantes brasileiros

Postado em

Não há regulamentação para a criação, mas existe público disposto a experimentar iguarias como a farofa de içá

Do grilo desidrato coberto por chocolate ao leite na cidade de Betim (MG) à porção de formiga saúva frita em azeite de alecrim na capital paulista. Os insetos – com asas e patinhas crocantes – movimentam as engrenagens econômicas de alguns raros, embora entusiasmados, empresários vinculados a esse segmento gastronômico bem diferente do habitual.

30092013a

Eles são geralmente empreendedores que nutrem laços com a cultura do interior do Brasil. Gente que cresceu ou se convenceu no decorrer da vida de que, vencida a repulsa inicial, os invertebrados de exoesqueleto podem ser uma opção nutritiva, e em alguns casos também saborosa, de mistura dentro do prato do consumidor.

´´Eu tomei contato com inseto na gastronomia há três anos e, logo que lancei a opção no cardápio, as pessoas vinham em grande quantidade para comer. Neste ano eu não fiz divulgação. Mas quando o cliente olha no cardápio, acaba pedindo por ser uma opção exótica´´, afirma Renato Caleffi, que é chef do Le Majue Organique. Ele cobra R$ 41 por uma porção de farofa de abdômen de iça, a fêmea da formiga saúva, ou R$ 89 por uma versão mais elaborada, que além do bicho acompanha costelinha de tambaqui e arroz de maracujá. ´´Muitas pessoas perguntam se sai aquela gosma, igual das baratas. Eu digo, ´não, não sai nada, é tudo bem crocante´´´, conta Caleffi, que chega a pagar R$ 500 pelo quilo da içá.

O chef, aliás, diz sentir falta de uma regulamentação para o setor no Brasil (sem registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, não há regra para caça e produção de insetos para consumo humano). ´´A entrega é difícil, o preço muda muito e, quando acho o produto, arremato do jeito que dá´´, conta o empresário.

Uma das únicas opções de fornecimento a que Caleffi tem acesso são os catadores de formiga na região de São Paulo que vai de Taubaté, no Vale do Paraíba, a Ubatuba, no Litoral Norte. É justamente ali, na pequena cidade de Silveiras, que Ocílio Ferraz mantém um restaurante onde a saúva é o carro-chefe, responsável direta por 50% da clientela. ´´Atendo muita escola, muito estrangeiro. O povo que tem mais curiosidade é o de origem asiática´´, revela o empresário de 75 anos, que de vez em quando precisa lançar mão de alguns artifícios para convencer o cliente a encarar o prato típico da região. ´´Tem gente que senta na mesa e fica com um pouco de receio. Geralmente eu dou uma pinga com limão e cravo ou falo um monte de coisas para a pessoa cair na real´´, explica. ´´Por aqui tem tanto santo que, daqui a pouco, surge uma Nossa Senhora do Formigueiro´´, brinca.

Ração. Em Betim, os sócios Gilberto Schickler e Luiz Otávio Pôssas mantém a Nutrinsecta, que fatura R$ 2 milhões ao ano com a produção de grilos, baratas, moscas e besouros, segundo eles, tão limpos quanto um frango de granja. O negócio foi concebido para suprir a cadeia de alimentação animal.

Os insetos são vendidos vivos ou desidratados para criadores de aves e répteis. Mas a procura de chefs e o interesse do público em geral pelos bichos mineiros é grande. ´´Somos muito procurados e até fornecemos produtos para alguns restaurantes´´, afirma Schickler, que espera por uma regulamentação federal para investir em uma linha exclusiva para os seres humanos. ´´Nosso produto segue todas as regras de higiene e pode ser consumido por pessoas. Mas avisamos quem nos procura que não existe uma regulamentação para o setor e nosso produto é para animais´´, conta Pôssas, que oferece aos visitantes um grilo coberto por uma espessa camada de chocolate. ´´É gostoso e crocante. Parece aquele chocolate Bis´´, garante.

Fonte: Estadão PME – 25/09/2013

banners_cozinha_industrial

Câmara fria – Um dia você vai ter uma…

Postado em Updated on

image O tempo está esquentando e precisamos cada vez mais nos preocupar com a manutenção de alimentos e bebidas.

Alimentos perecíveis exigem cuidados que basicamente passam por temperaturas baixas e estáveis, onde estão armazenados. Sem esquecermos da higienização perfeita do ambiente de armazenamento.

Bebidas, igualmente necessitam cuidados com o armazenamento. Principalmente sucos naturais e vinhos. Um bom exemplo é a água de coco envasada. É exatamente no período da primavera/verão que ocorrem os grandes problemas relacionados a temperaturas apresentadas por estes produtos na hora do servir. O pior que pode ocorrer é servirmos bebidas que deveriam estar geladas, a uma temperatura quase ambiente nos dias quentes. Muitos, por não investirem em equipamentos de qualidade passam a gastar mais do que custaria um deles, com o excessivo consumo de energia e a compra de gelo.

Exatamente aí, residem os problemas:

Quanto pagamos em energia gasta desnecessariamente?

Que água foi utilizada na fabricação do gelo que você serve?

Quase ninguém sabe ou mesmo procura saber, por já temer as respostas.

Câmaras frias são equipamentos importantíssimos em uma cozinha e restaurante. Hoje, temos fabricantes que oferecem boa tecnologia e montam tamanhos diversos e plantas especiais. No passado câmaras frias eram sonho para poucos, hoje não custam caro e são rapidamente instaladas, passando a gerar economia, segurança no armazenamento e qualidade ao que você serve; de imediato.

Uma boa planta de câmara fria pequena, custará mais barato que diversas geladeiras enfileiradas e utilizadas inadequadamente. Certamente em seu ambiente há alguns poucos metros cúbicos sem uso que podem se transformar em uma ótima câmara fria.

Fonte: http://vocechef.blogspot.com

Technorati Marcas:

Equipotel 2009

Postado em Updated on

Technorati Tags: ,,

equipotel

De 14 a 17 de setembro de 2009
13h às 21h (Acesso permitido até as 20h)
Pavilhão de Exposições do Parque Anhembi
Av. Olavo Fontoura, 1.209 – São Paulo, SP – Brasil

………………………………………………………………………………………………….

Com 47 anos de experiência, o Grupo Equipotel é o responsável pela realização da Nova Equipotel – a maior e mais completa feira de hotelaria e gastronomia da América Latina. Figurando entre as cinco maiores do mundo no setor, é um pólo de negócios e relacionamentos fundamental para o sucesso de empresas dos setores de hotelaria, gastronomia, alimentação e turismo. Lançamentos, tendências, serviços e inovações tecnológicas ao alcance de suas mãos, com data e local definidos: esta é a Nova Equipotel.

Destaques da última edição

48.767 profissionais qualificados visitaram a feira.

1.172 expositores de mais de 60 segmentos ocuparam uma área de 55 mil m², um aumento de 14,7% em relação a 2007.

80,6% dos visitantes pretendiam comprar ou pesquisar fornecedores e produtos.

62,3% desse público possuem cargos com alto poder de escolha e influência na decisão, sendo proprietários, sócios, diretores, presidentes ou gerentes.

24% dos visitantes são profissionais vindos dos outros 26 estados brasileiros (75,6% são do estado de São Paulo).

A presença de outros países incluiu Alemanha, Argentina, Austrália, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Espanha, EUA, França, Holanda, Índia, Itália, Japão, México, Paraguai, Portugal, República Dominicana, Suriname, Tunísia, Uruguai e Venezuela.

04 eventos simultâneos:

Equip Food&Drinks, salão de alimentos e bebidas que inclui a Arena Gastronômica;

Equip Spa&Wellness, área destinada a empresas fornecedoras de produtos e serviços para o segmento de bem-estar.

Equip Conference, ciclo de palestras sobre hotelaria e gastronomia;

Equip Design, mostra de decoração e arquitetura voltada para estabelecimentos hoteleiros.