alimentação saudável

Restaurantes apostam em consumo light

Postado em Atualizado em

saladEmpresas cortam gorduras e incluem opções mais saudáveis nos cardápios para atender a um consumidor preocupado com a saúde e os hábitos alimentares
A busca por uma alimentação mais saudável tem aberto novos caminhos para quem quer investir no setor de restaurantes. Atentas à tendência das refeições lights, algumas empresas crescem no mercado com opções menos gordurosas e mais nutritivas. É o caso do restaurante Jakaru Peixes, o primeiro de Manaus a oferecer peixe regional “express”. O empreendimento foi inaugurado no último dia 19 na Praça de Alimentação do Amazonas Shopping Center (segundo piso) pelo empresário Ricardo Di Carli e mais dois sócios, que investiram R$ 300 mil.

Ele explica que a “casa” quer dar aos clientes a opção de comer peixes sem ter que gastar muito tempo e dinheiro. Assim como faz em outros restaurantes de shopping, o consumidor terá no cardápio opções variadas, que ficam prontas em até 15 minutos. A diferença é que os pratos principais serão filé de peixe (pirarucu, aruanã, tucunaré e pescado, por exemplo) e costela de tambaqui grelhada. Outro diferencial do Jakaru (que em tupi-guarani significa “vamos comer”) é que nenhuma das refeições será feita com óleo. Os alimentos serão grelhados ou preparados no vapor. “Não trabalhamos com fritura. Comprei um forno importado, o mesmo usado no casamento do príncipe William, da Inglaterra.

Nesse forno preparamos 80% da comida. Até a batata será feita sem fritura”, explicou. Além das guarnições tradicionais, o Jakaru oferece também opções regionais, como baião de dois, farofa de ovos com banana, pirão e caldinho de peixe. Para compor o prato, o cliente pode escolher até três delas. “Os preços das refeições são acessíveis. Eles variam de R$ 16,90 a R$ 24,90”, disse. Embora tenha optado por um formato de atendimento rápido, Di Carli não classifica o restaurante como fast food porque quer evitar uma possível associação com outras empresas que fornecem comidas gordurosas.

De olho

No Sudeste Um dos objetivos de Ricardo e dos sócios é estudar o mercado e expandir o negócio pelo Brasil, com foco em Manaus, Boa Vista, Belém e na região Sudeste. Para tanto, os empresários esperam ter o retorno desse primeiro investimento no prazo de dez meses. “O modelo de franquia é o mais viável hoje e uma tendência no País. Em Manaus o comércio está muito aquecido, temos outros shoppings com potencial para o nosso tipo de empreendimento”, avaliou. Segundo levantamento da Associação Brasileira de Franchising (ABF), o número de franquias de alimentação cresceu 201% no Brasil entre 2001 e 2010. No Amazonas, o segmento de alimentação fora do lar, que abrange diferentes tipos de restaurantes, emprega 80 mil pessoas, aproximadamente, conforme dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel/AM).
Arab Café

Beirutes, kaftas, esfirras e kibes que utilizam trigo integral, grão de bico, beringela, alface, tomate e outros legumes. A combinação desses ingredientes com temperos importados do Líbano e com itens regionais fez o amazonense apreciar o cardápio do Arab Café. Já instalado no Manauara Shopping, o restaurante terá uma segunda unidade no Manaus Plaza Shopping, a partir da próxima terça-feira (29). “Montamos um cardápio para mostrar ao amazonense o sabor original da comida árabe. Temos um público árabe, que é muito numeroso, mas os manauaras também apreciam, até porque os alimentos têm bastante fibra.

Os vegetarianos são frequentadores assíduos”, comentou Salim Sultan, proprietário do restaurante. O empresário libanês pretende instalar uma unidade delivery no prazo de três meses, na zona Centro Sul. Sultan também estuda a possibilidade de investir no Amazonas Shopping até o fim do ano. “Nosso carro-chefe é a esfirra de carne. Em segundo lugar está a esfirra de tucumã com queijo, que é uma invenção nossa”, afirmou.

Fonte: A Crítica

 

banner_adm_restaurantes

Curitiba tem único restaurante do sul do Brasil com selo Green Kitchen

Postado em Atualizado em

imageRede Kharina recebeu em 2010 a maior pontuação no programa que destaca a alimentação saudável e a sustentabilidade

O compromisso de levar natureza a mesa de seus clientes. Essa é uma das marcas dos estabelecimentos brasileiros que vem recebendo o selo Green Kitchen, como é o caso da rede Kharina, de Curitiba.

Em 2010, a rede, que atua há mais de 35 anos na capital paranaense e hoje conta com três lojas na cidade, recebeu a maior pontuação do Brasil dentro das especificações que o programa exige. Dentre as ações de sustentabilidade e respeito ao meio ambiente que o Kharina realiza estão a produção zero de resíduos para o meio ambiente e o uso de gordura de palma (livre de ácidos graxos trans e extraída da polpa do fruto da palmeira) para frituras e preparo de refeições.

Os proprietários da rede Kharina investiram em diversas ações para promover a saúde e o cuidado com o meio ambiente nos restaurantes da rede. Além da destinação de 100% do seu lixo, não gerando resíduos para aterro sanitários, foram feitos investimentos também na utilização de produtos biodegradáveis e no uso de temperos naturais, como sal e pimenta, na produção do hambúrguer e de outras refeições.
A rede também investiu na utilização de materiais que geram menos impacto ambiental, como copos de vidro e a reciclagem de todo o seu material de papelaria. De acordo com Kharina Cury, uma das sócias e que se tornou credenciadora do Programa Green Kitchen para trazer à rede as mudanças necessárias, ainda há o que evoluir dentro da pontuação do Green Kitchen. “Em 2010 alcançamos 32 pontos dentro das especificações do programa. E ainda podemos aumentar isso, pois nossa certificação se refere às questões operacionais das lojas. Ainda temos a questão arquitetônica, que pretendemos desenvolver e aprimorar para que nossas ações dentro do Programa e de responsabilidade com o meio ambiente sejam ainda maiores”, explica.

O que é o Green Kitchen
Green Kitchen é um programa que visa levar a natureza à mesa, em refeições puras, sem adição de produtos químicos, transgênicos e quaisquer outras substâncias que possam alterar a normalidade do organismo humano. Nesse compromisso cada restaurante também cria uma relação com essa mesma natureza, em função de seu ambiente e sustentabilidade econômica.

Fonte: Centro de Notícias