Atendimento

Empresa investe em infraestrutura para produção de cursos de gestão de restaurantes e gastronomia

Postado em Atualizado em

IMG_0618

Empresa focada em treinamento e qualificação de gestores de restaurante, a GR Gestão de Restaurantes inova mais uma vez. Com sua nova sede em Belo Horizonte a empresa investiu em um estúdio gastronômico visando proporcionar um treinamento mais dinâmico, moderno e abrangente. Referência na oferta de conteúdo para gestão gastronômica, a GR possui atualmente um dos sites mais populares da internet para quem busca conteúdo nesta área. Com mais de 60.000 visitantes mensais, oferece informações sobre o mercado, treinamentos, livros e outros serviços para o setor gastronômico.

IMG_0652

Alison Figueiredo, fundador da GR ressalta. “O mercado de alimentação fora do lar tem um crescimento anual em torno de 10%. É um mercado em constante crescimento. O ramo de alimentação fora do lar possui suas complexidades e exige qualificação e conhecimento por parte dos empreendedores. Este é o nosso objetivo. Oferecer treinamento de qualidade desde a implantação até a operação do estabelecimento. O ano de 2015 foi um ano de muito empenho e dedicação na elaboração desta nova infra-estrutura. Pretendemos com o novo estúdio oferecer treinamento e qualificação aos donos e gestores de restaurantes em todo território nacional. Já estamos trabalhando no desenvolvimento de novos conteúdos, principalmente em vídeo, para tornar o aprendizado mais eficiente.”

Delivery para Restaurantes

Postado em Atualizado em

Se realizada de forma eficiente, entrega em domicílio pode ser uma boa estratégia para aumentar as vendas.

Estabelecimentos do ramo de alimentação podem investir no sistema delivery, uma vez que muitos clientes optam pela entrega em domicílio. Comum para lanchonetes e pizzarias, a alternativa vem ganhando espaço no ramo de refeições mais elaboradas. Também existem negócios focados somente no delivery, sem portas abertas para a rua.
Mesmo sendo uma excelente opção para conquistar o consumidor, que muitas vezes escolhe o delivery como uma forma fácil para fazer uma refeição, o empreendedor deve oferecer um serviço de qualidade, com base na agilidade e bom atendimento. Caso contrário, pode ver seu modelo de entregas em domicílio fracassar.

12112015A

Entrega sem atrasos

O delivery deve ser eficiente, para que a comida não chegue fria ao cliente. Além de quentes, os alimentos devem ter boa aparência. No transporte, a comida pode se misturar, por isso é necessário fazer testes de embalagens. Use recipientes (que podem ser de plástico, isopor ou mesmo alumínio) resistentes e os coloque dentro de outra embalagem, feita de papelão. Esses cuidados devem minimizar impactos que porventura ocorram durante o transporte.

Entregadores eficientes

Essa etapa influi diretamente na satisfação do cliente. Estabeleça um tempo para fazer a entrega. O empresário pode terceirizar o serviço, ou pode contratar sua própria equipe de entrega. Porém, é só com a experiência que o empreendedor pode identificar o modelo que melhor o atende.

Cadastro de clientes

O cadastro é um mecanismo fundamental para agilizar o atendimento. No primeiro contato do cliente, o atendente deve registrar no computador dados como nome, endereço e telefone de contato. Com esse cadastro, será possível identificá-lo rapidamente na próxima compra.

Taxa de entrega

É melhor definir a região a ser atendida do que atender toda a cidade e cobrar uma alta taxa para entrega. Para um pequeno negócio, o ideal é começar atendendo bairros próximos e de fácil acesso. O cliente precisa saber que a entrega é um serviço que não faz parte do preço da refeição e, por isso, é fundamental que o atendente informe o valor da taxa no momento do pedido.

Fonte: http://www.sebrae.com.br/

planejamento_cardapios

Restaurantes têm alternativas além do prato na mesa

Postado em Atualizado em

Restaurantes investem em empórios e produtos com a marca própria para fidelizar o cliente e aumentar o faturamento

É difícil ampliar o faturamento de um restaurante limitando-se, apenas, ao atendimento realizado pelo garçom. Nesse cenário, cresce a oferta de serviços relacionados ao canal, como é o caso do serviço de entrega, de levar para casa ou, ainda, da venda de produtos, sejam eles de marca própria ou multimarcas comercializadas ali mesmo no estabelecimento, em um ‘puxadinho’ construído para abrigar um balcão de vendas.

ENTREVISTA/TATI LUND (((ESPECIAL DO PME SOBRE NEGÓCIOS RELACIONADOS À ALIMENTAÇÃO)))De acordo com o sócio–diretor de foodservice da GS&MD – Gouvêa de Souza, Sergio Molinari, em geral, todo tipo de casa que serve alimentação é caracterizada por ter uma capacidade de produção maior que a sua lotação. Além disso, os custos de ocupação pressionam os resultados do negócio, principalmente em cidades de médio e grande portes. “Depender de muito espaço para servir tende a encarecer o negócio. Alternativas que combinem otimizar a capacidade de produção, um espaço (que seja o) menor possível e um giro alto também traz rentabilidade.”

O especialista afirma que quando ocorre o tripé representado por eficiência, custo alto de ocupação e demanda do consumidor por conveniência e praticidade esse tipo de solução de restaurante integrado com loja pode ser uma tendência. “Isso funciona super bem, especialmente quando existem dois componentes: qualidade e reputação de marca”, completa. Sergio Molinari ainda destaca que servir aquilo que o cliente vê na prateleira incrementa a experiência de consumo e traz elementos de credibilidade, intimidade e conforto maior para o consumidor.

É isso que ocorre no .Org, no Rio de Janeiro. Criado pela nutricionista Tati Lund, o local tem uma lojinha que vende os produtos que ela costuma usar no cardápio, como chocolate, chás especiais, molho de tomate e farinhas alternativas. “É uma forma de agregar valor para as coisas que usamos, de mostrar esses produtos e ainda as pessoas poderem levar para casa também”, conta.

A necessidade de aprender a cozinhar surgiu no meio da faculdade de nutrição, quando Tati optou pela dieta vegetariana. Depois de terminar o curso, ela foi para Nova York aprender sobre culinária saudável e trabalhar em restaurantes do segmento. “Quando voltei para o Brasil já vim com a ideia de abrir o negócio. Aqui é muito mais que um restaurante. Aqui é uma filosofia de vida porque envolve muito mais do que somente colocar o prato em cima da mesa. Seguimos alguns conceitos básicos: tudo aqui é integral, fresco, orgânico, local, sazonal e não processado”, explica Tati Lund.

Todos os dias a empresária recebe propostas para abertura de franquias, mas isso não está nos planos. O projeto que existe é lançar um produto, que ela prefere não revelar no momento, com a marca própria .Org no ano que vem.

Já os sócios do restaurante The Dog Haüs pretendem concretizar a abertura do empório no fim do ano, ao lado da loja no Itaim Bibi, em São Paulo. A ideia de investir em produtos para a montagem do hot-dog em casa existe desde o início do negócio. “Além de fidelizar a marca, é uma forma de alavancar as vendas. Desde o começo, a clientela pedia: você vende essa salsicha? Mas não foi porque muita gente pediu que resolvemos fazer. Sempre tivemos essa ideia”, conta Shemuel Shoel, um dos sócios.

No espaço serão vendidos seis tipos de salsicha, dois tipos de pães, quatro sabores de molho e outros ingredientes extras – todos com a marca The Dog Haüs. Para 2015, a empresa prepara o lançamento da franquia.

Alerta. Para quem pretende investir em uma loja dentro do próprio restaurante, o coordenador do curso de gastronomia da FMU, Marcelo Malta, faz um alerta: é importante trabalhar as contas da loja e do restaurante separadamente.

“Muitas vezes o sucesso de um mascara o prejuízo de outro”, pontua o professor. “Se a empresa tem uma diferenciação no produto, produz algo com assinatura ou tem capacidade de produzir uma experiência de consumo diferenciada, vale a pena considerar esse modelo mais sofisticado. Mas isso não é nem de longe a maioria dos estabelecimentos do Brasil”, afirma Molinari. 

Fonte: http://pme.estadao.com.br/

banner_como_montar_restaurante

Bares estão com novas estratégias de negócio

Postado em Atualizado em

10082015

Com a retração econômica, muitos bares e restaurantes têm encontrado um novo modelo de negócio para atrair a clientela.

No primeiro trimestre do ano, estabelecimentos de São Paulo tiveram queda de 10% em seu faturamento, de acordo com o mesmo período do ano passado, é o que afirma a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). Para fugir desse cenário, alguns estabelecimentos estão apostando em outras estratégicas de negócio.

Um dos exemplo é do bar Genuíno, localizado na Vila Madalena, em São Paulo. O estabelecimento está no azul graças a uma série de ações adotadas para amenizar a venda do tíquete médio. O gasto dos clientes antes eram de aproximadamente R$ 72 e passaram a R$ 58.

“Percebemos que o cliente está mais recessivo, não está gastando em pratos caros e não vem mais aquela turma grande da faculdade”, conta Valter Sanches, um dos sócios do estabelecimento. Para melhorar a situação, o empreendedor conta que faz compras com mais cautela, passou a fazer parceria com outras marcas, além de reformular o cardápio com outras seis pratos.

O quadro de funcionários foi reduzido para 26 funcionários, com cinco a menos que em dezembro. “Temos uma previsão de 10% de crescimento. Estou otimista, mas vai depender do segundo semestre”, ressalta Sanches.

No Drosophyla Bar, a situação não foi diferente. O negócio precisou lidar com novas situações, como a alta de insumo e até mesmo a contratação de caminhão pipa, devido à frequente falta de água em São Paulo.

De acordo com Lilian Varella, proprietária do bar, uma das soluções foi usar as frutas da estação , com informações sobre os preços através da Abrasel e da Ceagesp. Promoções também foram feitas, como o cliente ganhar uma taça se ganhar dois “ spiritz” de terça-feira. Outra solução foi revisar o cardápio, retirando o que os clientes menos gostavam. “Ficamos nove meses fechados para reforma. Estamos estáveis e lutando para continuar estáveis, mas preciso aumentar o tíquete médio. É um bar caro para se manter e tenho compromissos a pagar”, conta Lilian.

Fonte: Estadão PME

banner_adm_restaurantes

Restaurantes driblam a crise adotando sistemas de delivery

Postado em Atualizado em

O momento delicado pelo qual passa o nosso país, com o aumento da energia elétrica, água, transportes e outros custos básicos da nossa economia reflete diretamente no bolso do consumidor. Quem trabalha com alimentação fora lar como restaurantes, bares e similares também já notou a mudança no volume de vendas. O orçamento do consumidor já não permite tantos restaurantes como antes e mesmo quando decidem visitá-los agora estão mais seletivos em suas escolhas.

16072015

Há quem não abra mão de uma boa comida do seu restaurante preferido, mas o gasto com bebidas, taxas de serviços e aquela estendida até mais tarde, pois o papo com os amigos está muito bom, pode extrapolar o seu orçamento e o cliente acaba pensando duas vezes antes de sair de casa.

Foi pensando nisto que diversos restaurantes estão adotando o modelo de delivery como forma de manter seus clientes sempre por perto e ainda garantir o aumento do faturamento. Mas o modelo de delivery já existe a anos, o que o torna eficiente atualmente é a tecnologia atuando como aliada a este modelo.

Web Sites e aplicativos de delivery para restaurantes vem revolucionando este mercado, oferecendo comodidade ao cliente e eficiência para os restaurantes. Lucas Marcomini, coordenador de Marketing da Neemo, empresa fabricante de sistemas de delivery para restaurantes nos explica melhor a funcionalidade e os benefícios que este modelo pode trazer tanto para o cliente quanto para os estabelecimentos.

16072015i.png

“O sistema de delivery é uma ferramenta com funcionalidades muito atraentes, possibilita recebimento de pedidos via website e aplicativo exclusivos do estabelecimento sem cobrança de taxas por pedido, por isso a sua grande aceitação no mercado. O cardápio também pode ser incorporado a um site já existente e até mesmo utilizado como website do restaurante, apresentando detalhes como fotos, descrição detalhada do prato, variações, horário de funcionamento, localização e etc.

O restaurante recebe os pedidos em seu computador com notificações e diversos recursos de gerenciamento e o cliente também acompanha o andamento do seu pedido com o recebimento de notificações via e-mail. O principal benefício é o de explorar um mercado que está em expansão. O aplicativo de delivery tende a aproximar e fidelizar o cliente com o estabelecimento, pois o restaurante pode enviar mensagens promocionais para seus clientes e dispará-las no momento mais oportuno em dias e horários de pouco movimento.” Afirma Lucas.

Podemos observar que o delivery está se modernizando e se adaptando ao cotidiano cosmopolita, trazendo a praticidade na palma da mão, gerando novas oportunidades de negócios para restaurantes que até então não imaginavam explorar este mercado.

Colaboração:
16072015BNEEMO – DESENVOLVIMENTO MOBILE SOB MEDIDA 
Site: http://www.neemo.com.br
E-mail: comercial@neemo.com.br
Tel: (014) 3274-2087

 

banner_marmitex

A tentação do delivery

Postado em Atualizado em

Conceito operacional trazido profissionalmente para o Brasil na década de 80, o serviço de entrega em domicílio ou Delivery, como é conhecido, hoje está presente em parte significativa dos estabelecimentos de alimentação do país, nas mais diversas formas.

25062015

No entanto, o que para muitos pode parecer simples e natural, como entregar na casa dos clientes o que o restaurante já produz, na realidade é uma operação cara, trabalhosa e de difícil manutenção.

Considerando o fato de que o cliente do Delivery procura por conveniência, rapidez, qualidade e boa relação custo benefício, nesta ordem, é preciso o tempo todo: estar acessível, ser eficiente e rápido na operação e oferecer produto de qualidade por um preço que seja visto como justo.

Quando falo em manter-se acessível, me refiro a divulgar o estabelecimento e ter meios para atender os clientes que o procurarem. Quando falo em rapidez, me refiro a ter entregadores, equipamentos e gestão disso de forma adequada à escala pretendida. Quando falo em qualidade, me refiro a ter o produto similar ao que o cliente tem como referência no próprio restaurante e melhor do que o produto dos concorrentes, independentemente do processo de entrega. Quando falo em preço justo, me refiro a ter o melhor preço que o estabelecimento possa praticar sem que seja questionável pela depreciação que o serviço de entrega costuma gerar na experiência do cliente.

Isso tudo é possível e viável desde que se tenha consciência que o Delivery é uma operação que exige conhecimento técnico, Know How e tecnologia para ser efetivamente relevante e valer o investimento de tempo e de recursos financeiros que demanda.

É preciso saber como divulgar em uma época onde o acesso aos clientes por ações que não sejam de mídia estão cada vez mais difíceis e o tempo dos flyers e panfletos está chegando ao fim;

É preciso ter um canal de acesso para os clientes sendo que nos dia de hoje é praticamente obrigatório estar acessível pela internet e pelos aplicativos de telefones celulares;

É preciso ter profissionais específicos e treinados para o atendimento, organização e despacho de pedidos;

É preciso ter produtos próprios para entrega e suas respectivas embalagens;

É preciso ter entregadores e conhecimento das exigências legais e técnicas para prestar o serviço;

É preciso, apesar de todos os pontos mencionados acima e outros, poder praticar um preço competitivo e criar promoções de venda;

Nos últimos 20 anos, tive a oportunidade de acompanhar o mercado delivery de perto e presenciar muitos casos de sucesso e a construção de grandes negócios fundamentados exclusivamente neste segmento. Mas também testemunhei histórias de insucesso de grandes “players” que se aventuraram a entrar no segmento de entrega sem conhecer o negócio e que em decorrência disso o trataram de forma simplista.

Na maior parte das vezes, as diferenças entre os casos de sucesso e os de insucesso foram: a consciência de que o Delivery não é uma operação simples e a procura de conhecimento, aprendizado e soluções sobre a gestão e a operação do negócio.

Fonte: http://www.foodservicenews.com.br

banner_marmitex