Dicas

Do que mais reclamam os clientes em restaurantes e como fugir dos erros comuns

Postado em

O cliente pode até não gostar de um prato ou ficar desconfiado das condições do ambiente quando vai a um restaurante, mas os problemas no relacionamento funcionário-cliente são os líderes de reclamação do público frequentador.

Falta de atenção e desinformação também estão entre as principais queixas. Confira algumas dicas que podem ser úteis para estabelecer uma melhor experiência nesse espaço, tão característico da vida em grandes cidades:

• Desatenção dos garçons: a quantidade de pedidos postergados ou esquecidos quando o garçom não está a postos é enorme. Anotar pratos e bebidas e virar as costas é um erro sério. Funcionários atentos garantem a satisfação dos clientes.

• Acomodação dos pertences: esse item é uma surpresa para muitos empreendedores, mas também está no topo das listas de reclamações em restaurantes. Levar para a mesa casacos, pastas, mochilas ou sacolas de compras e receber ajuda para acomodar é um alivio aos clientes. O atendente que fica apenas olhando pode constranger o cliente.

• Demora na chegada dos pratos: é essencial deixar claro que pratos mais caprichados podem demorar. A impaciência no momento da alimentação pode ser um ingrediente para o mau humor e estragar a experiência.

• Informações sobre o cardápio: o primeiro ponto desse problema é a desinformação do garçom quando questionado sobre detalhes dos pratos ou solicitada uma sugestão. O segundo erro é quando o próprio cardápio está desatualizado e não condiz com as ofertas reais. Em ambas as situações, o ideal é treinar os funcionários e fixar avisos complementares no menu.

• Conversas entre funcionários: em qualquer estabelecimento, seja restaurante, bar, hotel ou outro em que o atendimento tenha um contato direto com o cliente, as conversas paralelas ou acintosas entre os funcionários ficam entre as reclamações mais observadas. O local de trabalho não pode ser uma sala de bate papo, principalmente se os clientes estiverem presentes.

Anúncios

O que é o Índice de cocção e como calcular

Postado em Atualizado em

Quando os alimentos passam por um processo de cocção como cozimentos, grelhados, fritos ou assados podem ganhar ou perder peso durante este processo. Para ajudar a calcular o volume da produção e também compor o preço de custo do prato é fundamental conhecer o fator de correção e também o índice de cocção dos alimentos.

O Índice de Cocção (IC) é a relação entre o Peso Cozido (PC) e o Peso Limpo (PL) do alimento. Assim, pode-se dizer que:

IC = PC / PL

Esse índice expressa a perda de água ou a retração das fibras de um insumo, como é o caso das carnes e dos vegetais, ou a absorção de água, no caso de cereais e leguminosas, durante a cocção. O IC é muito importante para os restaurantes que cobram por peso. Para uma mesma porção de carne crua e limpa, podem-se obter pesos diferentes na balança de venda se a carne estiver bem ou mal passada.

Na criação de um prato, o IC é sempre observado para que as porções servidas sejam bem calculadas. Para isso, é definido primeiro, para o prato, o Peso Cozido (PC) que lhe parecer conveniente e divide-o pelo IC. Dessa forma, obterá o Peso Limpo (PL).

Para quem deseja aprofundar mais no assunto vale a pena conferir o Curso “Elaboração de Fichas Técnicas para Restaurantes”. A Vídeo-aula aborda todas as etapas de elaboração da ficha técnica e através deste curso você será capaz de identificar os fatores de correção, o índice de cocção, a identificação do preço de custo do prato, o preço de cada porção e muito mais. O curso traz também fichas técnicas automatizadas para realização automática dos cálculos.

Para conhecer mais detalhes ou adquirir o o Curso de Elaboração de Fichas Técnicas para restaurante clique aqui. Para assinantes do CONTEÚDO PREMIUM o curso já pode ser acessado aqui sem custos adicionais. Se você não é assinante do CONTEÚDO PREMIUM clique aqui para conhecer todo o conteúdo disponível ou clique aqui para fazer sua assinatura.

O QUE AVALIAR PARA CONTRATAR UM AUXILIAR DE COZINHA?

Postado em

Formar uma equipe competente para trabalhar no seu restaurante é um grande desafio. Por isso, na hora de selecionar e entrevistar um candidato para uma vaga é necessário prestar atenção em certas habilidades imprescindíveis para cada uma das funções.

Para te ajudar nessa missão, este artigo tem como finalidade mostrar o que você deve avaliar na hora de contratar um auxiliar de cozinha, funcionário que é peça fundamental para o seu negócio. Confira!

Características que você deve procurar em um auxiliar de cozinha

O auxiliar de cozinha, antes de mais nada, precisa ser uma pessoa muito organizada, pois é de responsabilidade dele realizar o pré-preparo e a higienização de todos os alimentos que serão servidos no restaurante, tendo até de iniciar o preparo de alguns pratos. Por isso, é interessante que ele tenha também habilidade com facas e outros objetos cortantes.

Outra característica importante neste profissional é que ele trabalhe bem em grupo e aceita receber ordens, já que seguirá as orientações dadas pelos cozinheiros para cortar, ralar e descascar cada alimento.

Além de tudo isso, o auxiliar de cozinha precisa ter conhecimento amplo sobre a higienização e armazenamento correto de alimentos, conhecendo as normas da Vigilância Sanitária. Isso porque é ele que irá estocar cada ingrediente, sendo que, para garantir que os clientes não correrão o risco de serem contaminados, cada alimento precisa estar guardado e ser preparado da forma adequada.

Manter a cozinha, utensílios, geladeira e despensa limpos e organizados, etiquetar os mantimentos com a data de validade e auxiliar o Chef são outras tarefas do auxiliar de cozinha.

Além das características enumeradas, um auxiliar de cozinha precisa saber trabalhar sob pressão e ser ágil. Ademais, precisa ter um curso profissionalizante ou especialização na área de cozinha. Se o candidato tiver um conhecimento comprovado em normas da Vigilância Sanitária, ganha pontos.

Como avaliar um auxiliar de cozinha?

Agora que você já sabe a formação e as habilidades essenciais que um auxiliar de cozinha deve ter, faça um teste prático com cada um dos candidatos. Peça para eles irem em dias diferentes ao seu restaurante e, com base no seu cardápio, dê como tarefa preparar e limpar alguns ingredientes, cozinhar alguns alimentos e, por último, estocar corretamente os insumos.

Estipule precisamente os trabalhos que eles terão que desempenhar e coloque um tempo de duração para o teste em geral. Enquanto cada um deles cumpre as incumbências, preste atenção na forma como atuam dentro de uma cozinha e observe os detalhes imprescindíveis a um profissional dessa função.

Gostou de saber o que avaliar para contratar um auxiliar de cozinha? Então, continue navegando pelo site e tenha acesso a mais conteúdos como este.

Fonte: http://marciacalderon.com.br

20 táticas para gestão de restaurantes

Postado em

Quando o assunto é gestão de restaurantes, então estamos falando de estratégias e processos capazes de conduzir a um destino final bastante almejado: o sucesso.

Por trás de uma fachada atraente, um prato saboroso ou de um atendimento diferenciado, um trabalho rigoroso e assertivo garante a manutenção e o crescimento de qualquer estabelecimento do ramo de alimentação fora do lar.

Se você é um empresário que decidiu investir neste mercado e está em busca de otimizar seus resultados, então este texto é para você!

Aqui, vamos abordar 20 pontos essenciais e eficazes para aperfeiçoar as práticas de gerenciamento do seu negócio e fazer crescer seus resultados.

Agora é a hora de aprender mais sobre gestão de restaurantes e imediatamente colocar todo esse conhecimento em prática.

1 – Tenha um plano de negócio

Se você já possui um restaurante, mas começou sem um plano de negócio, a hora de corrigir esse erro é agora.

Pensar na gestão de restaurantes requer saber qual o objetivo se pretende alcançar, em quanto tempo e o que será preciso fazer para cumprir todas as metas.

Um plano de negócio serve para diminuir ao máximo qualquer risco, afinal você conhece como ninguém o valor do seu capital de investimento e sabe que esse assunto não é brincadeira.

Na hora de elaborar o plano de negócio para seu restaurante, considere estes 9 pontos:

  1. Escolha o ponto: atente-se para a região, o fluxo de pessoas, as empresas que estão em volta, etc;
  2. Estude a concorrência;
  3. Aposte em diferenciais;
  4. Invista em um contador de confiança;
  5. Contrate uma equipe de primeira;
  6. Pense no cardápio do seu restaurante;
  7. Precifique o seu menu;
  8. Liste seus gastos;
  9. Invista em tecnologia.

 

Defina suas metas, trace indicadores que possam permitir que você consiga mensurar todos os seus resultados. Pronto, mãos à obra!

2 – Tenha um controle financeiro completo

Sem qualquer suposição, mas com dados reais, responda estas 6 perguntas:

  1. Quanto você gasta na compra de insumos para a produção?
  2. Quanto seus clientes pagaram ao longo deste mês?
  3. Qual é o seu gasto com a folha de pagamento dos seus funcionários?
  4. Quais despesas para manutenção do estabelecimento você tem todo mês (água, luz, telefone, aluguel do ponto, domínio do site, limpeza terceirizada, pagamento de software, etc)?
  5. Quais impostos você precisa pagar?
  6. Quais taxas são cobradas quando o cliente paga em cartão – quanto você “perde” do pagamento?

Gestão de restaurantes é lidar com números. E são eles os responsáveis por representar os resultados bons e ruins.

Visão holística e domínio sobre os números são fundamentais para todo gestor.

3 – Qual seu medo em inovar?

Um cardápio diferenciado ou uma surpresa no atendimento, essas continuam sendo práticas interessantes para serem adotadas na hora de pensar em estratégias para seu estabelecimento. Contudo, inovação é bem mais do que o óbvio.

A tecnologia, por exemplo, que se transforma constantemente e todos os dias está oferecendo novas soluções, certamente é uma importante aliada para a gestão de restaurantes.

3 ideias inteligentes sobre tecnologia:

1 – Inovação na localização:

E se o seu estabelecimento estiver presente em aplicativos nos quais o cliente usa para procurar os melhores restaurantes ou que possibilita o usuário a fazer combinações de pratos, bebidas e sobremesas?

2 – Inovação na reserva:

E se, por meio do smartphone, seu cliente puder reservar uma mesa antes mesmo de sair de casa?

3 – Inovação no feedback:

E se você puder coletar elogios e/ou críticas de seu cliente sem interromper sua refeição ou sem ter que fazê-lo preencher formulários impressos?

4 – Pense no marketing

Quem não é visto não é lembrado!

Gestão de restaurantes pede boas práticas e ações de marketing. Conheça bem todos os diferenciais do seu negócio e impressione seu público-alvo com tudo isso que você pode oferecer como uma boa experiência de refeição fora do lar.

CUIDADO: não minta ou supervalorize algo que você não faz.

É importante ter um Plano de Marketing e fazer com que esse manual estratégico esteja conectado com seu Plano de Negócios e também seu Planejamento Financeiro.

Em tempos de crise e corte de gastos, investir em marketing digital acaba sendo uma boa solução para quem quer atingir o público certo sem gastar muito.

5 – Gestão de estoque

Controlar o estoque: uma tarefa tão complexa quanto importante! Pensar em gestão de restaurantes em sua completude implica em não comprar produtos em excesso, se atentar para com as datas de validade dos produtos, além de outros cuidados.

Gestão de estoque eficaz, em quatro pontos:

Primeiro ponto: defina prazos de controle

Estimular prazos para a contagem do estoque é uma tática que funciona bem, sobretudo num cenário de alta rotatividade. O ideal é identificar quais os produtos com mais saída e os que ficam armazenamos por mais tempo. Registre essa dinâmica, crie um histórico de frequência de saídas. Faça sua gestão a partir dessas informações.

Segundo ponto: delimite quantidade mínima e máxima

Duas coisas relevantes sobre o estoque: o desperdício ou se surpreender com a falta de um produto.

O ideal é o equilíbrio. A partir do registro dos produtos que mais saem e dos que ficam mais tempo no estoque, é possível delimitar uma quantidade mínima que irá sinalizar que este será o momento de repor e uma quantidade máxima, responsável por indicar que por enquanto não será necessário comprar mais.

Terceiro ponto: classifique produtos

Classifique os produtos e ganhe em organização. Separe por categorias, como: legumes, carnes, bebidas etc. Desta forma, será possível gerenciar a reposição de itens a partir dessas divisões.

Quarto ponto: invista em softwares de gestão de estoque

Todas as dicas anteriores podem ser resolvidas automaticamente a partir de bons softwares inteligentes e intuitivos que ofereçam comandos e possibilidades de vários formatos de classificações de produtos e mercadorias, bem como contabilizar entradas, saídas, preços etc.

Isso sem contar na possibilidade de emitir relatórios, dados sobre os produtos mais pedidos ou informações sobre a validade de cada item do estoque.

6 – Tracking e monitoramento: acompanhe os resultados

Monitoramento é importante por que com ele será possível fazer correções em sua estratégia e encontrar soluções cada vez melhores.

Quando se pensa em gestão de restaurantes, seis indicadores são indispensáveis de serem acompanhados de perto:

1 – Consolidação dos pedidos

Solução: Identificar quantos pedidos são feitos em um determinado período de tempo, seja um dia, um horário, em datas especiais, etc.

2 – Fechamento e sangria de caixa

Solução: Fechamento diário de caixa para ter a dimensão exata da entrada diária e também por uma questão de segurança.

3 – Controle de estoque

Solução: Saber da entrada e saída dos insumos garante uma melhor gestão de estoque e evita desperdícios, de alimentos e de dinheiro.

4 – Controle de sobras

Solução: Primeiro, separar as sobras limpas, as que ainda estão no estoque, aquelas que deverão ser jogadas fora. Assim será possível identificar se está havendo desperdício.

5 – Controle de pagamento

Solução: Identificar as formas com que os clientes estão pagando: dinheiro em espécie, cartão de crédito e débito, voucher de alimentação e refeição, etc. Desta forma, você saberá a quantidade do consumo e quais formas de pagamento são as de maior preferência do público.

6 – Acompanhamento dos fornecedores

Solução: Criar um histórico junto aos fornecedores para que possa ter um registro de preço e quantidade e ainda conseguir negociar descontos com o passar do tempo.

 

7 – Capacite e motive seus funcionários

Na gestão de restaurantes, o capital humano continua sendo o bem mais importante. Portanto, invista na capacitação, motivação e retenção de seus funcionários.

 

  • Salário não é tudo, mas fique atento ao que a concorrência está oferecendo para que a remuneração de seus funcionários esteja dentro da média;
  • Cultura organizacional é um fator importante na construção da coletividade e do senso de pertencimento em prol daquilo que se constrói por meio do trabalho;
  • Capacitação é sempre um investimento que vale a pena, para que os funcionários possam garantir um bom atendimento e a excelência na execução de qualquer tarefa;
  • Aprofundar-se em conhecimentos específicos ajuda a aumentar a qualidade dos serviços: invista em cursos de gastronomia e preparo de drinks para sua equipe, por exemplo.

8 – Automatize as rotinas do seu restaurante

Investir em um sistema informatizado é uma boa solução para lhe auxiliar na hora de resolver alguns problemas:

Será necessário criar uma rotina precisa para registrar e controlar pedidos, as vendas, os fechamentos de conta e os recebimentos.

Ou seja, você vai precisar de uma FRENTE DE CAIXA.

Pode acontecer de o sistema sair do ar ou parar de funcionar, causando algum contratempo desagradável.

Portanto, invista em um SUPORTE TÉCNICO de confiança.

Sempre pode ocorrer um blackout, a queima de algum aparelho eletrônico ou algo do tipo.

As soluções para esses contratempos não podem ser pensadas na hora dos ocorridos, mas previamente, e que a resolução ocorra rapidamente, se possível, SEM QUE O CLIENTE SEQUER PERCEBA.

9 – Fique de olho na lei e na vigilância sanitária

Gestão de restaurantes tem a ver com higiene e respaldo legal:

  1. Mantenha seu restaurante constantemente limpo e higienizado;
  2. Crie um mecanismo ou dinâmica para monitorar a limpeza do lugar;
  3. Informe-se sobre o que a lei diz sobre área de fumantes, cobrança de couvert, pagamento de gorjetas etc;
  4. Aspectos da estrutura física do restaurante como a disposição das mesas e dos lavatórios seguem normas, você conhece todas elas?;
  5. Cuide da manutenção e conservação dos alimentos;
  6. Lembre-se: evite multas e punições desnecessárias.

10 – Estabeleça um padrão de qualidade

Tenha uma equipe altamente treinada para oferecer um atendimento impecável e produtos e serviços de excelência: dos garçons até os cozinheiros.

No entanto, existe algo que vai além dessas premissas básicas a respeito da qualidade, dentro da gestão de restaurantes.

Crie um padrão de qualidade, envolva seus funcionários nesse processo para que possam fazer parte dessa cultura. Transforme este padrão em uma mensagem atraente a ser divulgada para seu público e então fazer desse cuidado um aliado na construção da boa imagem de seu estabelecimento.

11 – Cuide da imagem

Falando em imagem, tá aí um tema que não pode passar despercebido na hora de pensar numa gestão de restaurantes elaborada para alcançar o sucesso.

  1. Invista em conforto: Isso não quer dizer instalações luxuosas, mas com temperatura agradável e outros elementos que atribuam originalidade, como por exemplo, música ambiente, a decoraçãoum possível uniforme e o visual dos funcionários.
  2. Comunicação visual: Construa um conceito bacana que possa englobar as cores, a fachada, a iluminação, a disposição do mobiliário; enfim todo o universo construído para oferecer uma boa experiência ao público.
  3. Uniformidade: É importante que a imagem do seu estabelecimento seja reconhecida em todos os canais de comunicação onde sua marca estiver: nas redes sociais, nas mídias tradicionais, em produtos acessórios, etc.

12 – Renda-se aos benefícios da segmentação

Um dos pilares para uma boa segmentação é a pesquisa de mercado. Invista em conhecer melhor seu público e saber o que ele pensa, gosta ou reprova.

Dos benefícios da segmentação para a gestão de restaurantes:

  1. Maior assertividade e expectativa de retorno nas campanhas de marketing e comunicação;
  2. Otimizar a capacidade administrativa e logística, uma vez que se relaciona com determinada faixa de público;
  3. Fidelização de clientes que procuram por restaurantes que atendam ao seu perfil, seja gastronômico ou de um estilo de ambiente específico.

13 – A tecnologia é parceira da gestão de restaurantes

Agregar muito mais conveniência e personalização na gestão de restaurantes: é assim que a tecnologia pode e deve aperfeiçoar os processos e as práticas no dia a dia.

  • Será que seu cliente gostaria de ter a possibilidade de fazer sua reserva através do celular?
  • Ou então, o que ele acharia da possibilidade de poder contar com um cardápio digital em um tablet?

Essas e outras questões são demandas novas que surgem a partir do movimento da tecnologia e suas influencias na sociedade e na maneira de consumir. Seu restaurante também pode ser lembrado como o estabelecimento que sempre surpreende positivamente oferecendo comodidade, praticidade e rapidez.

14 – Estratégias para a fidelização de clientes

Fidelizar é um desafio que vem logo depois de atrair. Uma boa maneira de direcionar a gestão de restaurantes para o objetivo da fidelização é transformar o serviço oferecido, no todo e nos detalhes, em uma experiência única para o cliente.

Vá além do óbvio em 4 pontos:

1 – O cardápio:

O momento de escolher o prato, prática banal em qualquer restaurante, pode ser ressignificada a partir da criatividade do gestor. Surpreender o cliente com as informações descritas no menu ou oferecer combinações de receitas e temperos próprios e originais.

2 – O atendimento:

Treinar garçons, diminuir o tempo de espera ou oferecer cortesias. Ir além do óbvio tem a ver com quebrar um clima aparentemente desagradável e propor outro bem melhor. Durante todo o tempo em que seu cliente estiver dentro de seu restaurante, ofereça, ainda que minimamente, algo que ele nunca viu ou viveu em qualquer outro estabelecimento.

3 – O preço:

Mais importante do que oferecer promoções ou descontos, a dinâmica ou o roteiro de como eles irão ser organizados acaba transmitindo ao cliente a proposta de valor de tal prática. Aqui, a criatividade também conta bastante, desde que seja aliada da estratégia adotada e do conhecimento de seu público, para que o bônus de preço não seja incompatível com a imagem do lugar ou soe como falso.

4 – A surpresa:

Seja no cardápio, no atendimento ou nas promoções, a surpresa é um fator que possui grande importância na função de sempre despertar o interesse de novos clientes e também fazer com que a relação entre seu estabelecimento e os clientes de sempre não caia no cansaço. Depois de um tempo frequentando o mesmo lugar, é comum que um cliente se sinta enjoado do cardápio, da música ou até mesmo do ambiente. Prepare novidades de tempos em tempos e surpreenda seu público.

15 – Descubra o CAC do seu restaurante e leve isso em conta

O Custo de Aquisição por Cliente, o CAC, permite avaliar a eficiência do marketing e também de toda e qualquer iniciativa de seu estabelecimento no sentido de atrair clientes. A partir do momento em que o gestor usar o CAC ele então poderá descobrir onde sua estratégia de marketing poderá ser otimizada, cortando custos desnecessários para atrair o máximo de pessoas gastando o mínimo possível. Essa é uma conta indispensável na hora dentro do escopo da gestão de restaurantes.

Como calcular o CAC?

Para calcular o CAC, a empresa terá que levantar todos os gastos que envolvem a conquista dos clientes – todos mesmo: salários da equipe, compras de anúncios, campanhas publicitárias, viagens, ligações telefônicas etc. Em seguida, deverá somar todos esses gastos e dividir pelo número de clientes conquistados no período.

Exemplo

Se em um mês a empresa gasta R$6.000 e esse investimento faz com que uma média de 30 clientes novos sejam atraídos, então o CAC dentro desse período será o de R$200. A partir desta constatação, será possível verificar se a estratégia adotada pelo restaurante é compensatória ou não.

16 – Importância do fluxo de caixa para restaurantes

Aperfeiçoe a gestão do fluxo de caixa do seu restaurante, em seis passos:

  1. Faça o registro de todos os gastos e de todas as receitas;
  2. Faça um controle rigoroso de todos os custos, dos menores aos maiores;
  3. Considere a sustentabilidade financeira do restaurante na hora da formulação dos preços;
  4. Crie uma cultura organizacional que preze pela redução do desperdício: apagar uma luz quando sair de um ambiente, não deixar torneiras abertas quando não estão sendo usadas e até desenvolver práticas de aproveitamento integral dos alimentos;
  5. Tenha uma rotina de manutenção preventiva de todos os equipamentos do lugar.
  6. Se possível, tenha uma consultoria financeira para lhe auxiliar com boas práticas na gestão do fluxo de caixa.

Na gestão de restaurantes, o caixa possui extrema importância para determinar a saúde financeira do seu negócio. Cuide bem dele!

17 – Cuide da gestão de custos

Na gestão de restaurante, o primeiro passo para aperfeiçoar a gestão de custos é saber a diferença entre Custos Fixos e Custos Variáveis.

Custos fixos: são os custos que se repetem todos os meses, sem qualquer variação: aluguel, salário dos funcionários, internet etc.

Custos variáveis: são os custos relativos às matérias-primas do seu negócio, como por exemplo, os insumos, que variam de um mês para o outro ou a partir de uma data ou uma promoção específica.

  • Senso assim, combata as fontes de prejuízo!

Da escolha dos fornecedores à gestão do estoque, várias são as possíveis fontes de prejuízo em um restaurante. Integre todos os processos e leve em conta todos os dados financeiros em sua gestão. Essa visão holística será fundamental para que nenhum eventual prejuízo escape dos olhos. Conte com a ajuda de seu contador para essa tarefa.

18 – Gestão de pessoas e atendimento

Para além de ser um lugar de referência onde as pessoas poderão fazer suas refeições, seu restaurante também poderá se tornar uma fábrica de gentileza, empatia e satisfação. E os clientes irão perceber essa cultura a partir do momento em que ela fizer parte do convívio entre todos os colaboradores.

3 passos importantes:

Primeiro: agilidade na produção

Tenha uma equipe bem treinada e conte com a tecnologia como suporte para otimizar todo o processo de produção dos pratos.

Segundo: Rapidez no pagamento

O alinhamento entre tecnologia e equipe bem treinada poderá garantir rapidez no pagamento. Pense numa dinâmica feita para evitar filas e não prejudicar a satisfação do cliente.

Terceiro: previna-se contra imprevistos

Independente do imprevisto, é sempre importante já pensar em soluções para os mais previsíveis. Por exemplo, se o pedido de o cliente vier errado após um período de espera. Nessa hora, a solução será refazer o prato e desta forma mais tempo de espera. O que seu restaurante, através de sua equipe, poderá fazer para amenizar o descontentamento e o desconforto?

19 – Gestão de entregas e deliveries

A entrega em domicílio pode ser uma boa estratégia para aumentar as vendas de seu restaurante, isso, claro, a depender do perfil do seu negócio.

Segundo a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), o mercado de alimentação delivery tem faturado uma média de R$ 9 bilhões anualmente.

Portanto:

1 – Pesquise e planeje sobre a possibilidade de oferecer um serviço de delivery;

2 – Garanta a segurança dos alimentos, da produção até a entrega;

3 – Atendimento é fundamental, o processo de todo o serviço de delvery precisa ser bom e rápido;

4 – Atente-se para a higiene das embalagens, do meio de transporte e também da aparência do profissional que fará a entrega;

5 – Peça feedbacks dos clientes sobre o devilery e use essa informação para aperfeiçoar o serviço.

Para otimizar a ainda mais a gestão de restaurantes entendendo o serviço de delivery como estratégico, é bom saber que ele não precisa ser focado apenas em domicílios, mas também em locais de trabalho, academias etc.

20 – Ouça o que seus clientes têm a dizer

Para se manter vivo e operante com seu restaurante, você precisará ouvir o que seu cliente tem a dizer.

O público está cada vez mais engajado e motivado em opinar sobre os produtos e marcas que consome. Hoje, com as redes sociais, essa tarefa ganha uma dimensão ainda maior e acaba influenciando na imagem que seu estabelecimento construirá.

Invista em pesquisas de satisfação. No entanto, fuja dos formulários longos e que acabam quebrando a experiência do cliente ali no estabelecimento, afinal ele não está ali para preencher pesquisa.

Invista no serviço de Cliente Oculto ou em ferramentas mais modernas e efetivas para coletar a opinião do público.

Ofereça para seu público uma experiência incrível não só na hora da refeição, mas também no contexto de uma prática que terá extrema importância para melhorar a qualidade dos seus serviços.

Já pensou se seu cliente pudesse ganhar desconto apenas por opinar sobre o atendimento do seu restaurante?

Por fim, NÃO APENAS PESQUISE, MUDE!

Se alguma reclamação for recorrente, então isso significa que é hora de mudar o que está errado. Se algum elogio vier com frequência, invista nesse ponto forte, ele é um importante diferencial.

Como andam as vendas aí no seu restaurante? Ler este texto foi útil para aumentar seu senso crítico sobre gestão de restaurantes e ajudar a melhorar seus resultados?

 

Quanto preciso para montar um restaurante?

Postado em

É muito comum recebermos perguntas de nossos clientes desejando saber se é possível montar um restaurante com uma determinada quantia. Consigo montar um restaurante com 20 mil, 50 mil, 300 mil? É possível sim, montar um restaurante com estes valores de investimento, entretanto é preciso muito mais do que uma simples resposta para chegar a esta conclusão.


A implantação de um novo restaurante requer um planejamento minucioso de todos os custos envolvidos com a implantação e também com o fluxo de caixa, então vamos por partes. Quando pensamos na implantação do restaurante, precisamos avaliar todos os custos envolvidos para que possamos identificar se o valor que possuímos para o investimento é suficiente. É muito importante conhecer de antemão o local onde pretende montar o restaurante pois os custos de reforma podem variar muito de um local para outro. Em seguida é necessário fazer o levantamento de todos os custos que envolvem as questões de legalização, a reforma, a compra de móveis e equipamentos dentre outras despesas

Ainda se tratando de custos de investimento, um valor que é ignorado pelos marinheiros de primeira viagem é o fluxo de caixa necessário para manter o negócio funcionando por um determinado período. Restaurantes novos necessitam de um tempo de amadurecimento até que fique bem frequentado e conhecido em toda a região de atuação e para que seja possível permanecer funcionando e pagando todas as despesas neste período de amadurecimento é necessário um fluxo de caixa, ou seja, uma reserva responsável por manter as despesas mensais até que o empreendimento consiga caminhar com as próprias pernas.

A GR disponibiliza para seus clientes uma planilha que calcula o custo necessário para implantação do restaurante e também uma planilha que calcula o a reserva necessária para o fluxo de caixa neste período inicial. Você pode fazer o download de ambas as ferramentas clicando aqui.

Estas duas planilhas fazem parte do E-book, “Como montar um restaurante”. Neste E-book desenvolvido pela GR você encontrará informações valiosas que o ajudarão a analisar todos os fatores relevantes para montar um restaurante de sucesso. Você pode adquirí-lo aqui.

Quem é assinante premium pode fazer o download do e-book e das planilhas sem custos adicionais neste link. Se você quer se tornar um assinante premium e desfrutar de todo o nosso conteúdo exclusivo para restaurantes e bares, inclusive ter acesso as novas atualizações basta clicar aqui para contratar, mas se prefere conhecer todo o conteúdo disponível para assinantes veja nosso catálogo aqui

Montar um restaurante do zero ou comprar um pronto?

Postado em

Quem pensa em adquirir um restaurante, já teve pensamentos conflitantes entre comprar um restaurante pronto ou começar o negócio do zero. A resposta não é tão simples, pois existem diversas características e riscos inerentes para cada uma destas opções.

A característica individual do empreendedor também deve ser levada em conta para esta tomada de decisão. Restaurantes construídos do zero demandam mais tempo para implantação do negócio, meses de obras, burocracias junto a órgãos públicos, treinamento da equipe, planejamento do cardápio, ou seja, muita dedicação por parte do empreendedor, além de paciência, pois um empreendimento iniciado do zero também exige mais tempo para o amadurecimento do negócio, principalmente nos primeiros meses. Em contrapartida o investimento em um novo restaurante pode ser menor do que adquirir um restaurante já em funcionamento, desde que haja muito planejamento na fase inicial.

Existem algumas vantagens em adquirir um restaurante já em funcionamento, pois diversas etapas podem ser ignoradas em relação à construção de um novo restaurante.

1 – Controle de Custos

Um dos principais motivos para a falência de restaurantes é a má gestão do capital inicial. A obra ficou mais cara do que se esperava e agora o dinheiro disponível para capital de giro será sacrificado para concluir as obras. Em um restaurante já em funcionamento é possível avaliar qual o capital de giro do negócio e como o mesmo já se encontra em funcionamento o giro deste capital se dá imediatamente.

2 – Tempo de mercado

O tempo de mercado do empreendimento é um fator bastante positivo, visto que o novo proprietário não precisará aguardar por 3 a 6 meses de implantação e obras. Um restaurante em funcionamento já possui uma carteira de clientes fidelizada.

3 – Volume de vendas

Um negócio em funcionamento já possui um volume de vendas mensal considerável, algo que evolui paulatinamente para novos empreendimentos, levando de 6 meses a 1 ano para adquirir um volume de vendas satisfatório.

4 – Risco controlado

A Compra de um restaurante existente reduz significativamente o risco associado ao novo empreendimento. Um restaurante existente possui livros caixa, notas fiscais de compra e volume de vendas declarados de onde é possível obter informações sólidas sobre a vitalidade do negócio. Esta comprovação  não acontece com novos restaurantes onde as vendas e despesas são apenas projetadas no plano de negócios.

Se você pretende adquirir um restaurante em funcionamento você não pode deixar de ler o E-book “Como comprar um restaurante e fazer um bom negócio”. Neste E-book desenvolvido pela GR você encontrará informações valiosas que o ajudarão a analisar todos os fatores relevantes para fazer uma boa compra. Você pode adquirí-lo aqui.  Agora se você pretende começar um restaurante do zero nossa sugestão é o Livro “Como montar um restaurante” que traz um vasto conteúdo para os marinheiros de primeira viagem conhecerem o passo-a-passo para montar um restaurante de sucesso. Você pode adquirí-lo clicando aqui.

Quem é assinante premium pode fazer o download destes dois livros sem custos adicionais neste link. Se você quer se tornar um assinante premium e desfrutar de todo o nosso conteúdo exclusivo para restaurantes e bares, inclusive ter acesso as novas atualizações basta clicar aqui para contratar, mas se prefere conhecer todo o conteúdo disponível para assinantes veja nosso catálogo aqui

Comece 2018 com um Controle Financeiro organizado em seu restaurante

Postado em

Um dos maiores desafios na administração de um restaurante é realizar o controle financeiro eficiente e bem organizado. O controle financeiro da empresa é fundamental para que ela se mantenha competitiva no mercado e garanta o equilíbrio do caixa, que evitará surpresas e dificuldades de gestão.

Um restaurante que possui um controle financeiro bem estruturado tem sempre em mãos informações muito relevantes sobre sua situação atual como por exemplo o volume de faturamento, diário, mensal e anual e consegue analisar com agilidade o equacionamento entre suas receitas e despesas além de ser capaz de identificar quais são suas contas a pagar e a receber para um determinado período.

Os custos operacionais e de matéria-prima são as principais fontes de despesas dos restaurantes e por isto necessitam de um acompanhamento frequente para que os custos não ultrapassem as estimativas estabelecidas. Por isto é necessário um acompanhamento constante do C.M.V (Custo da Matéria Prima), um índice fundamental para quem trabalha com o comércio de alimentação fora do lar.

Aproveite para começar o ano de 2018 com um controle financeiro organizado em seu restaurante. A GR disponibiliza para seus clientes uma ferramenta de Análise e Controle Financeiro para restaurantes e bares. Uma ferramenta de utilização bem objetiva, com foco nos resultados e de fácil análise com gráficos, fluxo de caixa, controle de C.M.V, controle de custos operacionais e muito mais. Além disto, acompanha um manual de instrução para que seja possível aprender com facilidade como preencher as planilhas e analisar os resultados.

 

 

 

 

 

 

Para conhecer mais detalhes sobre a ferramenta de Análise e Controle Financeiro para Restaurantes ou para adquiri-la clique neste link. Quem é assinante premium pode fazer o download desta ferramenta sem custos adicionais neste link. Se você quer se tornar um assinante premium e desfrutar de todo o nosso conteúdo exclusivo para restaurantes e bares, inclusive ter acesso as novas atualizações basta clicar aqui para contratar, mas se prefere conhecer todo o conteúdo disponível para assinantes veja nosso catálogo aqui