Dicas

COMO ESCOLHER A CADEIRA IDEAL PARA RESTAURANTES E BARES

Posted on Updated on

Para receber bem seus clientes boas cadeiras e mesas são itens fundamentais. Elas são importantes para aumentar o nível de satisfação que podemos proporcionar. Sua escolha merece ser feita com cuidado e seguindo critérios que auxiliem a fazer a opção certa.

19082015

CADEIRA É CADEIRA… NÃO É?

Uma cadeira projetada e construída para o uso residencial possivelmente estará muito danificada em poucos meses de uso profissional. As cadeiras e mesas em ambientes profissionais são submetidas a exigências muito mais severas. São arrastadas com peso sobre elas, batidas e usadas intensiva e continuamente. Em contrapartida uma cadeira feita para uso profissional terá uma enorme durabilidade se usada em uma residência. Em um restaurante o tempo de uso de uma cadeira pode chegar a até 2500 horas/ano ou 1500% a mais que em uso residencial.

Fica mais fácil então entender por que as cadeiras residenciais e as profissionais são produtos totalmente diferentes, apesar de que ambas em princípio servem apenas para sentar.

Respondendo a pergunta:

— Não, cadeiras não são todas iguais!

• E agora, qual é a melhor?

• Como acertar no momento da definição do investimento nestes equipamentos?

Relacionamos em seguida algumas características de ordem prática, que podem orientar a melhor compra de cadeiras para restaurantes e bares.

1. QUALIDADE

A escolha das cadeiras e mesas deve assegurar que não seja necessário fechar o salão para reforma dos móveis durante um bom tempo. Parar seu salão de atendimento apenas um ano após sua instalação por que o mobiliário deve ser reformado significa prejuízo. Avaliar a relação “Custo X Benefício” durante o processo de escolha das cadeiras é muito importante.

2. A MATÉRIA PRIMA

Materiais resistentes como a madeira maciça devem ser preferidos, pois com o adequado acabamento ela tem uma grande durabilidade. Uma boa cadeira em madeira, com os cuidados devidos, tem uma excelente vida útil. O aço é uma outra opção, mas que perde para a madeira por não oferecer o charme e a sensação de conforto dos móveis em madeira. Em ambientes quimicamente agressivos, úmidos ou litorâneos o aço se degrada rapidamente, diminuindo muito a durabilidade do investimento. A madeira é um material nobre e resistente, e sua boa aparência depende de como for feito o acabamento.

3. ACABAMENTO E MANUTENÇÃO

O tipo de material e acabamentos usados na fabricação são importantes para maior facilidade na manutenção. Para diminuir os custos algumas empresas fazem o acabamento da madeira com produtos mais baratos à base de nitrocelulose. Isto diminui o custo de produção, e consequentemente o preço de venda, mas diminui também a vida-útil da cadeira e aumenta ainda o custo de manutenção. Cadeiras e mesas pintadas com produtos à base de nitrocelulose tendem a apresentar manchas esbranquiçadas principalmente nos pés devido ao contato com a umidade e produtos de limpeza.

Cadeiras profissionais devem ser fabricadas com materiais mais duráveis, diminuindo o custo operacional. Sua pintura deve ser feita preferencialmente com produtos à base de poliuretano ou poliester, mais resistentes ao desgaste e ao ataque de produtos químicos.

4. RENOVAÇÃO DOS AMBIENTES

19082015C

O design dos ambientes de atendimento é um importante elemento à serviço do marketing e do processo de venda. Quando uma empresa não renova suas instalações perde mercado com isso. A renovação em ambientes comerciais não deve ser encarada como custo, mas sim como investimento em um importante canal de comunicação com seus clientes. Os móveis devem ter uma durabilidade adequada, para que a melhor relação custo/benefício seja alcançada.

Em um estabelecimento em que a decoração seja refeita por exemplo a cada dez anos é adequado que a primeira renovação parcial do acabamento dos móveis seja feita após de 3 a 5 anos, contemplando trocas de tecidos, repinturas, etc.

A “longevidade” da decoração de um ambiente varia conforme as características do empreendimento e deve ser feita preferencialmente com a orientação de um arquiteto ou designer de interiores.

5. DESIGN DE INTERIORES

Sóbria, clássica, alegre, jovem, típica, temática, etc, a arquitetura de interiores de um restaurante deve estar em sintonia com a proposta de marketing e o seu público alvo.

Na escolha das cadeiras não é diferente, o design das cadeiras deve estar em sintonia com a proposta de ambientação e design do salão.

6. CONFORTO

Maior conforto significa clientes mais satisfeitos. Se o cliente permanecer mais tempo sentado à mesa, este tempo adicional vai repercutir no aumento do consumo e do faturamento do empreendimento; então o conforto é fundamental.

banner_como_montar_restaurante

7. ANTROPOMETRIA CORRETA

A Antropometria e a Ergonometria estudam as relações de medidas do corpo humano, e dão subsídios para o design dos produtos funcionais. Apenas 1 ou 2 cm de diferença na altura ou um grau de erro na inclinação do espaldar pode ser a diferença entre uma cadeira confortável ou não. Projetos de qualidade são os passos iniciais para se produzir móveis de qualidade.

A ideia de que cadeiras com braço ocupam mais espaço do que as sem braço é errada. O espaço para cada pessoa à mesa deve ser de 70 a 85cm, independentemente do modelo de cadeira, salvo sejam usadas cadeiras muito largas.

8. MOBILIDADE

A mobilidade é uma qualidade fundamental para que uma cadeira além de bonita seja “facilitadora” das atividades de hotelaria, gastronomia e eventos. A cadeira deve ser resistente, o que não significa que se possa dobrar a espessura de seus componentes para conseguir a resistência necessária, ou corre-se o risco de criar cadeiras que somente os super-heróis possam levantar. Devem ser leves o suficiente para que se possa levantar apenas com uma mão.

9. FACILIDADE DE PEGA

Para que esta mobilidade possa estar assegurada, além do peso moderado o design deve prever abertura para encaixar a mão no espaldar. Modelos de cadeiras em que se necessita das duas mão para levantar devem ser evitados em ambientes profissionais.

10. PERNAS COM AVANÇO MODERADO

Tropeçar na perna de uma cadeira ao passar ao seu lado é muito desagradável. Quando isso acontece com muita frequência com um determinado modelo de cadeira pode haver exagero no avanço das pernas em relação as dimensões do espaldar ou do assento, o design está errado. Mas o avanço bem dosado tem uma importante função, que é a de conferir maior estabilidade, evitando virar para os lados e principalmente para trás quando o usuário se inclina apoiando a cadeira apenas nas pernas anteriores.

11. EMPILHABILIDADE

19082015B

No dia-a-dia da hotelaria e da gastronomia o lay-out do salão muda frequentemente. A opção por cadeiras empilháveis é estratégica, por facilitar muito a operação cotidiana destes salões.

O empilhamento pode ser diretamente no chão ou em plataformas com rodízios. Existem modelos de carrinhos e plataformas com piso inclinado e apoio lateral, que aumenta a quantidade de cadeiras por pilha.

 

 

 

12. ESTOFADAS OU NÃO?

19082015A

Entre as técnicas de design de cadeiras existe o conceito de “conforto duro”, que oferece conforto ao usuário por meio de um projeto criterioso com o uso inteligente dos parâmetros antropométricos. Em gastronomia pode-se aplicar cadeiras não estofadas em estabelecimentos para refeições rápidas como cafés ou fast-foods. Entretanto estes critérios podem ser revistos quando o café tem como proposta oferecer acesso a web por Wi-Fi ou quando estiver instalado em uma livraria. Em restaurantes e hotéis um modelo de cadeira com assento estofado é a melhor escolha, pois seus ambientes são projetados para tempos de permanência maiores. O estofamento no espaldar da cadeira é uma questão diretamente relacionada ao projeto de interiores e estilo pretendido.

13. CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS

Estatisticamente se observa que o peso das pessoas está aumentando ano após ano, e todo estabelecimento deve estar preparado para receber pessoas maiores. Assim, quando a linha de design de interiores do seu salão pedir cadeiras com braço, é conveniente que algumas cadeiras sem braço estejam disponíveis também, livrando assim clientes maiores do constrangimento de ficarem presos entre os braços da cadeira ao se levantar. Uma cadeira dedicada para uso profissional deve estar preparada para clientes com peso maior que a média. Devendo ser dimensionadas para pesos próximos a 150kg sem que haja riscos de acidentes.

14. DIMENSIONAMENTO

A circulação entre as cadeiras e mesas deve ser adequada para a maior eficiência de um salão de restaurante, hotel ou centro de eventos. Para que os clientes e a equipe de atendimento possam circular com facilidade, evitando acidentes e congestionamentos. Em ambientes mais sofisticados circulações maiores agregam valor ao ambiente.

15. SUSTENTABILIDADE

A sustentabilidade econômica das empresas está cada vez mais associada à sustentabilidade ambiental e social com que atua. O “marketing verde” é uma tendência em expansão. Quando uma empresa opta por desenvolver as suas atividades com respeito ao meio ambiente, ela está cumprindo o seu papel social, mas está também comunicando aos seus clientes que é ambientalmente responsável, e à partir deste momento passa a ser considerada pelo consumidor de forma especial.

16. MADEIRA ECOLÓGICA

O aumento na produção de móveis em madeira proveniente de plantio ambientalmente correto contribui para a redução do aquecimento global. O uso destes tipos de madeiras, como o eucalipto por exemplo, resulta na diminuição da exploração das florestas nativas, e consequentemente num significativo aumento do número de novas florestas em crescimento no planeta.

Para crescer as árvores consomem o dióxido de carbono disponível na atmosfera. A madeira é composta em média por 49% de carbono e assim o uso de produtos em madeira é uma forma eficiente de se fazer o “sequestro de carbono”. Enquanto para produzir plásticos e metais se utiliza energia elétrica e/ou combustíveis fósseis, para produzir madeira a natureza utiliza a abundante e limpa energia solar, responsável pela fotossíntese nas árvores. Os “Selos Verdes”, como o FSC (Forest Stewardship Council), emitidos por ONGs e instituições ambientais certificam a origem da madeira provenientes de manejo sustentável, e outros produtos ecologicamente corretos.

Se a idéia é adotar uma postura ecologicamente correta em um estabelecimento, o mobiliário deve ser produzido com madeira certificada, e para cadeiras uso profissional madeiras macias como o pinus devem ser evitadas, pois com o uso prolongado este material tende a apresentar problemas nos encaixes das peças. Espécies mais duras como o eucalipto são mais adequadas.

Fonte: http://www.movelariaparanista.com.br/

banners_cozinha_industrial

8 dicas de baixo custo para decorar restaurante

Posted on

Um ambiente agradável e convidativo é essencial para os negócios, mas nem sempre nos comprometemos com uma reforma por que pensamos no quanto poderá ficar caro. Uma solução é apelar por alternativas simples, baratas e criativas para renovar o ambiente sem gastar muito. Selecionamos 8 dicas de baixo custo para decorar restaurante, bar ou lanchonete que podem surpreender.

Defina o seu estilo

Todo ambiente precisa ser definido por um estilo. A partir desta etapa você poderá escolher os móveis e a cor da parede sem errar. Observe alguns estilos mais comuns:

  • Clássico: O estilo clássico é baseado nos modelos de decoração da Grécia antiga e Roma. As paredes são altas e adornadas por detalhes em gesso, os móveis devem ser em madeira escura para conferir dramaticidade. Os balcões devem ser em mármore branco para causar  contraste e destaque. As cadeiras desse estilo possuem encosto alto. Você poderá combinar os lustres e luminárias seguindo o mesmo estilo.
  • Moderno: O estilo moderno é composto de um ambiente clean, com linhas retas nos móveis, espelhos e luminosidade.
  • Rústico: O estilo rústico pode ser composto por madeira reutilizada ou gasta, cadeiras de metal simples e piso de concreto ou cerâmica comum.
  • Vintage: O estilo vintage faz referência aos anos 40 ou 50. A decoração é bem colorida e vibrante, e pode ser composta de pisos com cores alternadas, cadeira estofada com material semelhante ao couro e mesas de fórmica. Para decorar o balcão, aparelhos eletrodomésticos em vermelho, amarelo, verde ou preto.
Algumas dicas podem renovar o seu ambiente sem gastar muito dinheiro, observe algumas delas!

Pintura

10082015A

Para dar o ponta pé inicial na renovação do seu negócio, comece pela tinta. Escolha o branco ou o pérola para começar. O branco ilumina, amplia e dá a impressão de limpeza no ambiente. Você pode dividir a parede  com e pintar somente a parte cima, compondo a parte inferior da  parede com madeira combinada com o balcão. Esse cuidado confere bom gosto ao ambiente.

Parede

As paredes podem ficar mais estilosas se compostas por elementos enriquecedores como madeira ou papel de parede, mas a madeira é muito cara, e o papel de parede também. Para baratear opte por madeira reutilizada ou tecido. Os tecidos para revestimentos de sofá ou cortina possuem em média, mais de 3 metros de largura e custam bem menos que os papéis de parede disponíveis. Ao optar por um tecido, escolha aquele com textura bem firme. O desenho deve acompanhar o estilo definido, então faça uma pesquisa antes de sair às compras.

Adega de vinhos

10082015B

Ter uma adega de vinhos num bar ou restaurante é muito receptivo., mas pode ser muito caro. Para baratear esse custo, opte por uma moldura larga de madeira e acomode em seu centro, canos de PVC cortados e devidamente lixados.

 

 

 

 

Espelhos

Os espelhos refletem luz e ampliam o ambiente, então não poupe espelhos nas paredes do seu restaurante. Eles podem compor as pilastras ou a parede de dentro do balcão. Brinque com as molduras, dependendo do estilo do seu negócio esses espelhos podem ser exibidos como obras de arte.

Cadeiras

10082015C

As cadeiras costumam ser muito caras, então prefira adquirir cadeiras e mesas usadas para reformar. As vezes uma mão de tinta alcança o objetivo. As cadeiras depois de pintadas ou revestidas com tecido podem ser misturadas dependendo do estilo definido. Outra dica é criar um sofá único ao longo da parede. Faça um encosto estofado e crie uma bancada inteiriça com madeira de  compensado com forro para os cliente poderem se sentar.

Mesas

As mesas de madeira podem ser lixadas e repintadas. É muito mais barato que optar por comprar mesas novas. Use a criatividade e inspire-se de acordo com o estilo que definiu para o ambiente.

Piso

Para ambientes rústicos o ideal são pisos de cimento queimado. O cimento queimado ganhou uma variedade de tons que vão além do cinza, é barato, fácil de limpar e confere requinte ao ambiente.

Para ambientes clássicos o ideal são pisos de cerâmica ou porcelanato, mas para ambientes vintage o  melhor são os pisos de cores alternadas.

Luminárias

10082015D

As luminárias vão criar o ambiente aconchegante que se pretende na decoração de seu restaurante.  Escolha luminárias compridas, pois ampliam a visão e o alongam o ambiente. Para baratear o custo das luminárias, procure cestos de plástico em lojas de produtos caseiros e se precisar pinte com tinta spray nos tons prata, branco, preto ou colorido, dependendo do estilo do ambiente. Organize-as ao longo do balcão do bar, ou sobre alguns pontos específicos. Use lâmpadas amarelas.

Aproveite bem todas as dicas para decorar restaurante e faça sucesso com o seu negócio.

Fonte: http://franquiaempresa.com/

planejamento_cardapios

5 dicas para montar uma equipe campeã com um orçamento apertado.

Posted on Updated on

14072015A

Se você não pode pagar salários ou bônus exorbitantes para sua equipe, entenda de que outras formas trazer e manter as melhores pessoas do mercado.

A primeira coisa que as pessoas me perguntam depois de ver o time da minha startup costuma ser “como você conseguiu isso?”. Pela lógica, uma empresa tão pequena, nova e com orçamento limitado como a minha não deveria ter tantas estrelas na equipe e no Conselho. Depois de terem me perguntado isso muitas vezes, finalmente cheguei a alguns conselhos para dar a quem quer montar um time campeão mesmo com um budget apertado! Veja a seguir:

1. Comece pelas ambições

É preciso uma quantidade incrível de dinheiro para fazer uma pessoa ambiciosa e inteligente largar tudo o que está fazendo para te ajudar a realizar seu sonho. Se você é uma startup, nunca vai conseguir vencer essa batalha, porque você simplesmente não tem uma quantidade incrível de dinheiro. Em vez disso, encontre maneiras de fazer do seu sonho um sonho compartilhado.

Para mim, isso aconteceu quando meu sonho do Corpo da Paz de ajudar as mulheres na África Ocidental através da moringa — uma árvore local com folhas altamente nutritivas — encontrou o sonho da minha co-fundadora de finalmente criar seu próprio produto alimentício, depois de anos de consultoria em produtos de alto consumo. Para outro co-fundador, era uma chance de testar seu sonho de conectar as pessoas em todos os continentes usando a tecnologia para contar histórias interessantes.

VOCÊ VAI TRAZER PESSOAS INCRÍVEIS PARA O SEU TIME SE CONSEGUIR MOSTRAR COMO AS AMBIÇÕES PESSOAIS DELAS VÃO AO ENCONTRO DAS AMBIÇÕES DA EMPRESA.

2. Consiga os jogadores certos para as posições certas

Nas startups, como em um time de futebol, há vários jogadores em várias posições. A chave é designar a posição certa para cada jogador para que você aproveite o ponto forte de cada um.

Eu sou uma pessoa que vê as coisas como um todo — a maioria dos CEOs é. Sou ótima para montar uma estratégia abrangente, mas não sou tão boa assim para definir os detalhes. Um dos meus co-fundadores é craque em operações, mas tem dificuldade em prever o futuro. Ao reconhecer isso, somos capazes de montar planos coesos, cada um fazendo aquilo em que é bom.

Nem sempre é fácil, afinal, fazer isso corretamente requer que todos admitam suas fraquezas. Mas eu tento assumir a liderança expondo minhas próprias fraquezas e construindo uma cultura de vulnerabilidade profissional.

3. Incentive o debate

Depois de um retiro com a empresa, um novo membro do time comentou sobre como era interessante ver os quatro membros da nossa equipe de gestão se envolverem em debates acalorados numa hora e, na outra, jantarem juntos felizes, como se nada tivesse acontecido.

Às vezes, nós dizemos que brigamos como irmãos pequenos: de maneira feroz, mas sabendo que, no final da discussão, ainda vamos querer brincar juntos. As discussões podem ser cansativas sim, mas eu não queria que fosse diferente. Nós discutimos porque todos nós queremos construir uma empresa incrível e duradoura, por isso queremos encontrar a melhor solução para chegar lá.

4. Crie uma cultura de gratidão

Não há nada pior do que sentir que ninguém está reconhecendo seu trabalho duro. As grandes multinacionais reconhecem o trabalho duro de seus colaboradores com bonificação; as startups, com pouca grana, precisam reconhecê-lo através do elogio em público.

Na Kuli Kuli levamos essa ideia a sério, iniciando nossas reuniões com reconhecimento, em que todos circulam pela mesa agradecendo cada pessoa presente por algo de excepcional que fizeram ou têm feito. Nos retiros da nossa empresa, fazemos uma versão mais longa desse ritual, que chamamos então de “mexido da gratidão”, em que cada um de nós fala por alguns minutos sobre por que nós somos gratos por ter cada pessoa na sala.

5. Nunca se esqueça do seu porquê

Na Kuli Kuli, a nossa visão é permitir que todos tenham acesso a fontes de alimentos nutritivos como a moringa. Muitas vezes, citamos a nossa visão em tomadas de decisões da empresa. Isso nos ajuda a permanecer fiéis à nossa marca, ao mesmo tempo em que nos lembra de por que nós começamos esse trabalho.

Em algum momento, espero poder compensar todas as pessoas na minha equipe com salários altos e bônus. Mas mesmo quando esse dia chegar, eu ainda pretendo viver segundo essas diretrizes para criar uma equipe bem-sucedida, trabalhadora e feliz por estar aqui toda semana.

Por último, queria saber de vocês: qual é a melhor dica que você já ouviu sobre montar uma equipe campeã?

Lisa Curtis é fundadora e CEO da Kuli Kuli

Fonte: https://endeavor.org.br/equipe-orcamento-apertado/

banner_manual_conduta

7 erros dos empreendedores ao escolher um ponto comercial

Posted on Updated on

Ter um bom ponto comercial pode ser determinante para o sucesso do empreendimento. Por isso, na hora de escolher onde abrir o negócio, nada de ir só pela intuição: é preciso pesquisar muito sobre qual será o modelo de operação, quem serão seus clientes e como a empresa se relacionará com os futuros vizinhos.

08062015B

De acordo com Filomena Garcia, sócia do Grupo Cherto, o ponto comercial pode representar até 50% do sucesso do seu negócio, dependendo do setor em que o  empreendedor atua. “Menos ou mais, o ponto sempre vai ser algo que você tem de cuidar, tanto quanto sua marca”, afirma. A outra metade do sucesso é feita pela gestão do empreendimento.

Guilherme Siriani, sócio diretor da ba}EXPANSÃO e especialista em varejo e mercado de consumo, diz que não ter um plano de expansão bem definido é o primeiro passo na direção de uma má escolha de ponto. Por exemplo, resolver mudar para uma área de consumo muito distante da original, quando “existem outras regiões no meio do caminho que fazem sentido”. 

Indo na mesma linha de pensamento, Marcuz Rizzo, consultor de franquias na Rizzo Franchise, afirma que o empreendedor deve sempre buscar estar perto do seus consumidores. “A maioria dos clientes vem de uma distância máxima de três quilômetros do seu negócio. Antes de instalar, busque essa concentração”, recomenda.

Veja, a seguir, os sete erros que os empreendedores mais cometem na hora de avaliar um ponto comercial:

1. Adaptar o negócio para um ponto e não o contrário

Um grande erro que o empreendedor comete é de tentar adaptar seu negócio às características do ponto comercial que ele encontrou. “Você está mudando seu conhecimento diante de um ponto oportunidade. Eu não acredito em oportunidade, acredito em situações em que o ponto está adequado para o seu negócio”, afirma Rizzo.

2. Deixar a ansiedade de abrir o negócio atrapalhar a negociação

O empreendedor já deve ter em mente de três a cinco pontos comerciais bons na hora de escolher onde irá abrir seu negócio. “Quando você tem um só ponto, não há opção, e sim a falta dela. Essa é a hora de gastar muita sola de sapato”, diz Filomena. Quanto menos opções o empreendedor tem, menor é sua chance de sucesso, já que ele perde seu poder de barganha.

De acordo com Siriani, o momento de negociação é o de ter muito pé no chão. “Esse momento do acordo é uma batalha para a gente ter o melhor custo para nossa operação. Essa é a parte dos números: quanto minha operação pode pagar?”.

3. Depender de poucas pessoas para indicar pontos

Filomena recomenda ampliar o leque de pessoas que possam trazer pontos, porque a oportunidade de um bom local pode aparecer de um dia para o outro. “O ponto bom não fica muito tempo, então tem de ter uma avaliação rápida. Não é se precipitar no primeiro, mas, quando você vê um ponto que segue seus valores, você tem de ser rápido para fechar a negociação”, recomenda.

4. Só levar em consideração o custo do aluguel

Um erro comum dos empreendedores é não avaliar os custos extras envolvidos ao pensar em ter um negócio em um shopping center, por exemplo. “Às vezes, não há essa avaliação sobre a diferença no potencial de consumo, no fluxo de pessoas e no tipo de marketing. A rua e o shopping são dois meios de compra distintos”, avalia Siriani.

Já Filomena analisa o outro lado e destaca que alguns empreendedores esquecem de serviços que os shoppings já incluem. Na hora de decidir qual o melhor custo-benefício, o empreendedor deve levar em consideração que os centros de compras já contam com segurança e manutenção inclusas, por exemplo.

5. Desconhecer o modo como seus cliente chegam ao negócio

Antes de escolher um ponto, o empreendedor deve avaliar se o seu negócio é de passagem ou de destino. Se os consumidores vão porque são atraídos pela fachada, como ocorre em um fast food, o negócio é de passagem. Já se os clientes estão dispostos a se deslocar, como é o caso de um restaurante ou de um cabeleireiro, o empreendedor tem um negócio de destino.

“O negócio de passagem depende de alto fluxo de passantes. Por isso, tem que ter boa visibilidade e tentar aproximar a venda da porta para captar os clientes. Já o negócio de destino deve ter seviços adicionais, como estacionamento”, explica Rizzo. O empreendedor deve escolher um local que se adapte à sua operação.

Siriani destaca a necessidade de avaliar se seu negócio terá ou não acessibilidade para seus clientes, à pé ou de carro. Como exemplo, o especialista afirma que o empreendedor deve considerar se o negócio será localizado em uma rua sem saída ou uma rua de mão única, no caso de seus clientes se locomoverem de carro. Além de, é claro, ser um ponto adaptado para pessoas com deficiência.

6. Esquecer de avaliar a área de atuação e seus vizinhos

Muitos empreendedores esquecem de avaliar em qual região do bairro seu produto será mais consumido. “Você terá uma grande vantagem se estiver onde as pessoas estão acostumadas a consumir. Se você monta o negócio em uma rua periférica, terá de investir mais em marketing”, diz Siriani.

Filomena segue a mesma linha de raciocínio. “Não basta ter só o endereço, tem que ver a localização melhor dentro dele. Você deve procurar marcas que concorram ou que complementem seu negócio”, afirma.

Isso, claro, depende de qual o produto que será comercializado. Uma loja de moda pode procurar estar ao lado de outras marcas do mesmo ramo e para o mesmo público, porque a característica do negócio é o consumidor ir olhando diversas vitrines. Já uma loja de materiais de construção deve estar em uma área que seja caracterizada por esse tipo de serviço.

7. Comprar o ponto pensando em vender depois

Segundo Rizzo, comprar o ponto para vendê-lo depois por um valor maior pode ser uma ideia ruim. “Não considere a aquisição do ponto comercial como um investimento. Você não entra num negócio para vender depois, e sim para fazer sua ideia acontecer. Você terá de pagar multa pela transferência de negócio, no caso de shoppings, além de não conseguir o valor que você pagou pelo ponto”, alerta.

Fonte: EXAME

banner_como_montar_restaurante

4 Dicas para montar uma cozinha industrial

Posted on Updated on

Diversos ramos de negócio dependem de uma cozinha industrial de alta qualidade. É o caso de restaurantes, hotéis e muitos outros tipos de empreendimentos.

05052015

Diversos ramos de negócio dependem de uma cozinha industrial de alta qualidade. É o caso de restaurantes, hotéis e muitos outros tipos de empreendimentos. Com uma estrutura adequada, é possível ter mais sucesso ao preparar, armazenar e oferecer produtos alimentícios. Por isso, preparamos 4 dicas para montar uma cozinha industrial adequada e eficaz.


Veja 4 dicas para montar uma cozinha industrial

1. Documentação necessária para funcionar

Além de escolher um local estratégico no ambiente, a cozinha industrial deve funcionar apenas depois que você conseguir os documentos necessários, como alvará ambiental, alvará dos bombeiros e alvará de funcionamento. Dessa forma, você poderá se dedicar a outras etapas da montagem da sua cozinha industrial, sem se preocupar com possíveis problemas legais.

Para evitar qualquer tipo de transtorno, faça o que estiver ao seu alcance para garantir que a cozinha industrial do seu negócio seja capaz de produzir alimentos com bastante higiene, sem deixar de lado a qualidade, a produtividade e a funcionalidade do local.

2. Projeto elaborado de modo organizado

Ao montar uma cozinha industrial, você precisa criar um projeto elaborado com o máximo de organização, começando pelo trabalho de engenheiros e arquitetos, que possam desenvolver projetos considerando todas as necessidades do negócio, inclusive levando em conta o orçamento disponível. Se a sua situação financeira estiver apertada e o tempo para terminar não for o suficiente, é melhor adiar o começo da obra, com a finalidade de esperar pelo momento mais propício para uma montagem que proporcione resultados melhores.

Em geral, os profissionais responsáveis pelo projeto devem analisar questões como a demanda, a partir de uma estimativa da clientela do negócio, além do fluxo de processos que serão aplicados na cozinha industrial e o tipo de refeição que fará parte da produção e da distribuição. Assim, é possível projetar o ambiente mais adequado, bem como os equipamentos e todos os outros itens necessários para o funcionamento desejado.

3. Design prático

Ao criar o design da sua cozinha industrial, você deve dar prioridade à praticidade, afinal de contas, sem um layout que permita a fácil circulação de pessoas, dificilmente os resultados atingirão seus objetivos. Além disso, o layout do ambiente deve considerar todas as práticas que serão aplicadas no ambiente, com o intuito de simplificar e agilizar os processos. Uma cozinha ambiental não deve, por exemplo, fazer com que os funcionários permaneçam sempre no mesmo lugar.

Outra recomendação diz respeito à localização do lixo, visto que as lixeiras não devem estar posicionadas muito perto de onde os alimentos ficam armazenados ou onde são preparados para consumo. E nada de deixar fornos e fogões perto dos refrigeradores.

Para garantir um ambiente funcional e com menos riscos para a segurança dos trabalhadores, é essencial optar por pisos antiderrapantes, o que é uma medida de prevenção contra eventuais escorregões, além de tornar a limpeza mais eficiente.  E já que estamos falando sobre limpeza, não se esqueça de manter uma distância entre a comida e os materiais usados para limpar o local.

Outras precauções incluem o uso de sinalizadores, para avisar quando pisos estiverem molhados, e proteção de lâmpadas, que precisam conter globos, uma vez que resíduos não podem cair nos alimentos caso uma das lâmpadas estoure.

4. Escolha de equipamentos de ótima qualidade

É fundamental que os equipamentos escolhidos sejam de ótima qualidade. Alguns dos equipamentos mais comuns e mais usados em cozinhas industriais são: geladeiras, armários, coifas e pass through, os quais são colocados entre o fogão e a prateleira onde os alimentos ficam devidamente conservados até que sejam levados por garçons.

Para finalizar, avalie o seu orçamento e considere todos os itens acima na hora de investir o seu dinheiro ao montar uma cozinha industrial.

Fonte: http://www.industriahoje.com.br/

banners_cozinha_industrial

Restaurantes agregam valor à venda do vinho em taça utilizando métodos inovadores; conheça a nova opção

Posted on Updated on

14042015B

O cara entra em um restaurante e pede uma taça de vinho. Quem pensou que isso seria uma piada está perdoado. Pedir uma taça de vinho em muitos restaurantes sempre pareceu algo engraçado, pelo menos entre os aficionados por vinho. Rótulos comuns que custam escandalosamente caro fazem com que no geral seja mais econômico pedir uma garrafa inteira em vez de duas ou três taças, mesmo que a pessoa vá beber pouco.

Nos restaurantes que levam o vinho bastante a sério, no entanto, métodos que facilitam a venda de vinho em taça evoluíram a um ritmo vertiginoso na última década, oferecendo aos clientes muito mais opções do que os onipresentes chardonnay e pinot grigio.

Apesar de pedir vinhos servidos em taça quase nunca valer a pena estritamente no sentido monetário, os sommeliers têm procurado maneiras de agregar valor a essa opção. Mais e mais restaurantes têm oferecido vinhos em barrilete, o que ajuda a vender em taça por preservar bebidas que deteriorariam em garrafas abertas. Outros acham maneiras de servir sempre algo novo, como no Bar Boulud perto do Lincoln Center, em Nova York, onde Michael Madrigale, o sommelier, toda a noite abre um vinho de alta qualidade, sempre de garrafa grande, tipo magnum ou duplo magnum, para ser vendido em taça.

Agora há um novo dispositivo, chamado Coravin, que pode revolucionar os tipos de vinhos que os restaurantes podem disponibilizar em taça. O Coravin parece resolver um problema que aflige a humanidade desde que o primeiro vinho foi armazenado em uma ânfora: como preservar a bebida aberta e exposta a seu arqui-inimigo, o oxigênio?

O sistema de barril procura dar conta desse problema, mas de uma forma deselegante. Ele usa um gás parecido com o nitrogênio – que tanto empurra o vinho para a saída quanto ocupa o espaço vazio, impedindo a oxidação.

Esse método, no entanto, só é bom para vinhos relativamente simples que se destinam a ser consumidos ainda novos e podem ser armazenados em barris pelos produtores. E quanto aos vinhos para os quais é vantajoso passar por um processo de envelhecimento na garrafa?

Ao longo dos anos, experimentou-se vários sistemas, desde o simples VacuVin, um dispositivo para bombear o ar de uma garrafa de vinho aberta, até sistemas complexos de refrigeração e conservação destinados a prolongar a vida útil das garrafas, uma vez que as rolhas tivessem sido removidas. Por uma razão ou outra, nenhuma delas deu certo.

Já o Coravin, que parece combinar funções de microscópio, furadeira e pistola, faz o truque de extrair o vinho de uma garrafa sem abri-la de fato. Como isso funciona?

Uma agulha fina, longa e oca é introduzida na garrafa através da proteção metálica e da rolha. Em seguida, o gás argônio (inofensivo, incolor e insípido) é bombeado pela agulha, criando uma pressão na garrafa que empurra o vinho para fora através da mesma agulha. Quando a quantidade desejada de vinho é servida, a agulha é retirada, deixando o argônio no lugar do líquido subtraído, o que impede a oxigenação. A rolha então se recompõe sozinha, selando o vinho. O método não funciona com tampa de rosca nem rolha artificial.

14042015C

Testei vinhos de garrafas abertas cinco ou seis meses antes e não vi sinais de oxidação ou degradação ? diz Thomas Pastuszak, diretor de vinhos do NoMad, de Nova York, que, juntamente com uma dúzia de outros restaurantes de todo o país, está usando o Coravin para oferecer mais vinhos servidos em taça.

Se o Coravin funcionar como se espera, ele pode favorecer a oferta de vinhos envelhecidos e caros em taça, mesmo que não haja um público muito grande para esses rótulos. Desde meados de agosto, quando começou a usar o Coravin no NoMad, Pastuszak já tem uma carta de cerca de 30 vinhos que não se imaginava que pudessem vir a ser pedidos em taça.

Que tal, por exemplo, experimentar um Château-Grillet, vinho branco raro do norte do Rio Reno produzido em quantidades mínimas? A garrafa custa US$ 525, mas por “apenas” US$ 110 você pode beber uma taça. Ou talvez você queira provar um Barbaresco de 28 anos. A taça do Produttori del Barbaresco de 1985 sai por US$ 60; a garrafa, por US$ 280.

Os preços dos vinhos em taça podem parecer astronômico, mas na verdade compram cerca de um quarto de garrafa, disse Pastuszak, servido em um decantador pequeno ao lado das mesas. Acrescente uma história para contar enquanto o serve, e o produto se torna atraente.

Pastuszak contou que três engenheiros foram almoçar recentemente em seu restaurante e cada um deles pediu uma taça de um Château Rayas de 1997, o Châteuaneuf-du-Pape, que, custando US$ 140 a taça, é o vinho NoMad mais caro servido com o Coravin.

? Eles gostaram tanto dele que compraram uma garrafa ? contou.

Não consigo imaginar o Coravin em um ambiente doméstico, sendo usado, como alguns sugerem, para saborear lentamente uma garrafa rara e cara durante meses ou mesmo anos. No entanto, se usado conscientemente, o Coravin pode tornar muito mais entusiasmante a carta de vinhos vendidos em taça.

? Ele dá aos clientes mais jovens a oportunidade de provar algo que talvez não tenham a oportunidade de experimentar por conta própria ? avalia Pastuszak. ? Eles podem não estar dispostos a bancar uma garrafa do mesmo vinho, mas talvez queiram pedir uma taça. Isso pode ser algo de grande valor para eles, não em termos financeiros, mas em termos de experiência.

Fonte: http://revistadonna.clicrbs.com.br/

banner_ficha_tecnica