Leis e regulamentos

Como fazer um contrato de fornecimento de refeições para empresas

Postado em

Restaurantes localizados próximos a centro comerciais tem como aliado o grande número de empresas como potenciais clientes para o consumo de refeições mas isto não é garantia de que estes clientes possam se tornar clientes assíduos de seu estabelecimento. É preciso ter em mente que estas empresas localizadas próximas ao seu restaurante tem um grande potencial para se tornarem clientes recorrentes e colaborar para o aumento do faturamento do restaurante ao longo do ano. Muitos restaurantes recorrem a parcerias com estas empresas oferecendo refeições a seus colaboradores negociando preços ou condições de pagamento diferenciadas como um atrativo para atrair mais clientes.

Para as empresas esta é uma vantagem muito interessante, afinal um desconto no valor das refeições pode colaborar para diminuir os custos com os benefícios aos funcionários além da possibilidade de pagar o fornecimento das refeições de forma semanal, quinzenal ou mensal.

Já para os restaurantes os benefícios são muitos pois este tipo de contrato colabora para um aumento fixo no faturamento mensal além de manter o restaurante com mais frequentadores, um bom sinal de que a comida por lá é boa. Os clientes sempre observam os restaurantes mais frequentados para tomarem sua decisão na hora do almoço.

Para os restaurantes que estão em busca deste tipo de parceria de fornecimento de refeições é muito importante que este acordo seja feito de forma documentada através de um contrato de fornecimento e nunca um acordo apenas verbal, afinal é preciso definir as garantias de fornecimento e pagamento de ambas as partes e também as características individuais de como o fornecimento ocorrerá.

A GR disponibiliza para download um Contrato de fornecimento de refeições bastante completo que aborda todas as questões referentes a este tipo de atividade de forma a assegurar que todas as garantias deste acordo estejam em contrato. O contrato de fornecimento de refeições está disponível neste link para clientes que adquiriram qualquer um dos produtos comercializados pela GR. Se você ainda não possui nenhum de nossos treinamentos ou ferramentas de gestão você pode adquiri-los acessando a nossa loja virtual aqui.

Quem é assinante premium já pode baixar o produto sem custos adicionais neste link. Se você quer se tornar um assinante premium e desfrutar de todo o nosso conteúdo inclusive ter acesso as novas atualizações basta clicar aqui para contratar, mas se prefere conhecer todo o conteúdo disponível para assinantes veja nosso catálogo aqui

Anúncios

Confira os melhores cursos para melhorar a gestão do seu restaurante

Postado em

A “GR Treinamento em Gestão de Restaurantes e Gastronomia” é uma empresa focada na educação profissional e qualificação de pessoas e empresas atuantes no mercado gastronômico. Atuando a 10 anos no mercado a GR disponibiliza cursos em diversas áreas do setor gastronômico com o objetivo de profissionalizar, especializar e qualificar pessoas na gestão e operação de seu negócio. Nossa empresa atende a restaurantes, bares, pizzarias, cafeterias dentre outros.

CONFIRA OS 8 CURSOS MAIS VENDIDOS EM TODO O BRASIL

1- Administrando Restaurantes e Bares

administrando restaurantes

 

 

 

Quero este!!

 

2 – Análise e Controle Financeiro para Restaurantes

 

 

 

Quero este!!

 

3 – Planejamento de Cardápios para Restaurantes

planejamento de cardápios

 

 

 

Quero este!!

 

4 – Elaboração de Ficha Técnica para Restaurantes

 

 

 

Quero este!!

 

5 – Formação de preço de venda para restaurantes e bares

 

 

Quero este!!

 

6 – Restaurante de Sucesso!! 50 Estratégias para lucrar mais

 

 

Quero este!!

 

7 – Como montar um restaurante

como montar um restaurante

 

 

 

Quero este!!

 

8 – Cardápios para Restaurantes Self-service

cardápio para restaurantes

 

 

Quero este!!

Chefs famosos poderiam alertar sobre os riscos em cozinha, não é mesmo?

Postado em

Programas de culinária na TV como MasterChef, Cozinha Prática, Bela Cozinha, Que Marravilha!, entre tantos outros, servem para glamourizar as atividades de cozinha.

curso restaurante

Às vezes, penso que o País vai formar uma legião de chefs, que montarão seus próprios restaurantes, e haverá clientes para todos. Mas deixo a ironia pra lá. Essa área profissional, de fato, parece ser muito fascinante, mas, como sempre, tenho que apontar os riscos da atividade de quem trabalha na cozinha industrial. Ah, sim, pois não há só os chefs, há funções como cozinheiro, ajudante de cozinha, lavador de utensílios, saladeiros, padeiros e confeiteiros, e todos são muito importantes para que os alimentos possam constar do cardápio. Mas, neste post, vamos ficar com o risco de incêndio, um tipo de acidente que pode causar danos dramáticos às pessoas. Para a prevenção desse sinistro, deve-se entender que onde há gás, óleos aquecidos, chamas e substâncias inflamáveis, as gambiarras e imprudência são um prato cheio para machucar trabalhadores. Primeiramente, a implantação de cozinhas de bares, restaurantes e afins deve ser precedida de projeto técnico, que contemple equipamentos específicos de segurança. Infelizmente, ainda hoje há cozinhas industriais que não dão a devida importância à prevenção de sinistros.

Um dos equipamentos que merece cuidado especial são as fritadeiras, pois o principal risco na cozinha industrial, de quem lida com produção de alimentos, são os óleos e gorduras quentes. Em geral, o incêndio começa em fritadeiras, panelas com óleo e gordura, quando aquecidas acima do ponto de fulgor do líquido, fazendo que haja combustão. Isso acontece quando o equipamento está desregulado ou procedimentos de segurança não foram atendidos. Por exemplo, o cozinheiro está fazendo um tipo de alimento com o óleo e, por algum motivo, sai da cozinha sem retornar logo. Outro risco é quando a água entra em contato com o óleo de cozinha quente, convertendo-se em vapor, e expandindo-se a um ritmo tal que o óleo fervente é projetado em todas as direções. Nesse caso, toda a equipe na cozinha estará correndo risco de ter o óleo sobre seus corpos, queimando a pele exposta ou, pior, atingindo os olhos, causando até cegueira.

Os sistemas de extinção de incêndio em cozinhas não são de qualquer tipo, ou seja, não se apaga fogo nesses ambientes com água. Nem pensar! O fogo de gordura deve ser atacado com o agente extintor saponificante, classe K. O aparelho deve ser instalado próximo aos fogões com até 15 fluxos (bocas do fogão). Com esse sistema, é possível proteger desde uma simples grelha até uma cozinha inteira. A extinção do fogo com o sistema ocorre por intermédio da projeção do agente, em taxas pré-determinadas, sobre as superfícies dos equipamentos, áreas dos filtros e dutos de exaustão. O agente classe K consegue extinguir princípios de fogo e a descarga do agente sobre os equipamentos de cocção e filtros faz com que as superfícies sejam resfriadas, quando ocorre a reação com a gordura quente (saponificação), o que forma uma camada isolante que priva a gordura do contato com o ar, evitando a emissão de vapores inflamáveis.

É recomendável que os trabalhadores da cozinha recebam treinamento sobre como funciona o sistema. Na cozinha, quem tem melhor condição de extinguir o fogo é o operador treinado, que atuará com o extintor portátil, mesmo antes de o sistema fixo automático ser acionado. A percepção do operador vai identificar o fogo num momento mais precoce e começar a fazer o combate manual. Deve-se ter o extintor portátil adequado e esse tipo de ação, mas que só é possível ser efetivo com operadores treinados.

Para evitar riscos, a instalação de equipamentos em cozinhas industriais, que causam incêndios e explosões, deve ser feita por gente capacitada. Adaptações nunca devem ser feitas. Redes de gás combustível, como GLP ou gás natural, que possuem legislação específica de instalação, bem como a rede de proteção contra incêndio e detecção contra possível vazamento de gás, não podem ter gambiarras. Na cozinha industrial, assim como os alimentos, a instalação dos equipamentos extintores deve fazer parte do cardápio.

Fonte: http://segurancaocupacionales.com.br/chefs-famosos-poderiam-alertar-sobre-os-riscos-em-cozinha-nao-e-mesmo/

Manual de Conduta para Restaurantes e Bares

Postado em

A convivência em sociedade é pautada de direitos e deveres entre os cidadãos. O que nos guia e nos mantém dentro dos padrões aceitáveis para a sociedade são as leis, um conjunto de normas recolhidas e escritas, baseadas na experiência das relações humanas. Assim como em sociedade, dentro das empresas também deve existir um conjunto de direitos e deveres capazes de orientar os colaboradores para que os objetivo de gestão da empresa e o relacionamento com seu público, seja ele interno (colaboradores) ou externo (clientes e fornecedores)

A convivência em sociedade é pautada de direitos e deveres entre os cidadãos. O que nos guia e nos mantém dentro dos padrões aceitáveis para a sociedade são as leis, um conjunto de normas recolhidas e escritas, baseadas na experiência das relações humanas. Assim como em sociedade, dentro das empresas também deve existir um conjunto de direitos e deveres capazes de orientar os colaboradores para que os objetivo de gestão da empresa e o relacionamento com seu público, seja ele interno (colaboradores) ou externo (clientes e fornecedores)

manual de conduta para restaurantes

As diretrizes estabelecidas pela empresa esclarecem para os colaboradores quais são seus objetivos no mercado e difundem a cultura da empresa idealizada por seus gestores. Para que isto aconteça efetivamente é necessário adotar estratégias para difundir estas práticas entre seus colaboradores.

O manual de conduta orienta o colaborador na condução de suas ações relacionadas ao ambiente de trabalho, ao uso de equipamentos de segurança, ao atendimento ao cliente, no relacionamento com fornecedores e nas questões que envolvem ética e integridade.

Formato: E-book
Páginas: 73
Editora: GR Gestão de Restaurantes

Descrição do Produto

Veja detalhadamente o que voce econtra produto:

Sumário
1 – Introdução
2 – A quem se destina o manual de Conduta
3 – Elaboração do Manual de Conduta
3.1 – Carta do Diretor
3.2 – Missão, Visão e Valores
3.3 – Conduta da equipe de Líderes
3.4 – Conduta de Comunicação com a mídia
3.5 – Conduta nas práticas empregatícias
3.5.1 – Plano de carreira
3.5.2 – Idade mínima para contratação e Trabalho infantil
3.5.3 – Apoio ao equilíbrio entre vida e trabalho
3.5.4 – Conduta na Contratação de Terceiros
3.6 – Conduta de Integridade
3.6.1 – Conflitos de interesse
3.6.2 – Diretrizes para dar ou receber presentes e entretenimento
3.6.3 – Informações sobre os concorrentes
3.7 – Conduta sobre as Informações confidenciais da empresa
3. 8 – Condutas Individuais dos Colaboradores
3.8.1 – Assédio no local de trabalho
3.8.2 – Drogas ilícitas e álcool
3.8.3 – Condutas com a jornada de trabalho
3.8.4 – Conduta em caso de faltas
3.8.5 – Conduta com as informações transmitidas à empresa
3.8.6 – Conduta no atendimento ao cliente
3.8.7 – Conduta com a higiene e apresentação pessoal
3.9 – Conduta com os Fornecedores
3.10 – Conduta com os Bens da empresa
4.0 – Comprovante de recebimento do Manual de Conduta

Bares e restaurantes cobram 13% de gorjeta e mudança causa polêmica entre clientes

Postado em

A mudança na Lei que regulamenta as gorjetas dos garçons tem dividido opiniões entre clientes nos restaurantes de São Paulo. Se você não checar a conta, pode estar pagando mais pela gorjeta e nem ter percebido. A nova legislação que já está em vigor desde maio faz com que os tradicionais 10% se transformem em 13%.

treinamento restaurante

A gorjeta é opcional. “Acho completamente errado”, disse Erik Malagrino, ilustrador. Já o comerciante Luis Alberto Miele concorda. “Acho justo porque eu tenho negócio próprio e sei que não é fácil, as despesas têm que ser cobertas e não adianta a gente fingir que ela não existe.”

Antes de maio, nenhum imposto era cobrado. Agora a empresa retém parte da gorjeta para pagar encargos como INSS e FGTS. Para compensar, alguns restaurantes da cidade já estão cobrando de 12% a 13% sobre a conta.

Um dos restaurantes pretende aumentar a taxa de serviço nos próximos dias, mas o dono deixa claro que quem decide se paga ou não é o cliente. “Ele pode optar por não pagar ele integralmente ou ele pode pagar uma parte desse serviço”, disse Danilo.

O diretor do Sindicato de Bares e Restaurantes diz que a maioria dos estabelecimentos ainda não cobra o novo valor da gorjeta. “Vai demorar um tempinho, vai ser um problema. Nós estamos num momento de crise, a maior parte dos bares e restaurante estão trabalhando com margens reduzidíssimas ou sem margens”, disse Denis Rezende, diretor do sindicato.

Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/bares-e-restaurantes-cobram-13-de-gorjeta-e-mudanca-causa-polemica-entre-clientes.ghtml

curso restaurante

9 perguntas para entender a nova lei das gorjetas

Postado em

De acordo com as novas regras da Lei Nº 13.419 – chamada de “Lei da gorjeta” – aprovada em março de 2017, empresas enquadradas no regime de tributação do Simples poderão reter até 20% das gorjetas para pagar encargos sociais, previdenciários e trabalhistas relativos às gorjetas contabilizadas. Demais empresas podem reter até 33% .

curso restaurante

Confira 9 perguntas para entender as novas regras: Tudo que você precisa saber para entender a nova regulamentação da gorjeta

1. Quais serão os encargos nas empresas Simples (retenção de até 20%) e nas demais (retenção de até 33%)?

Primeiramente, é importante esclarecer que a lei prevê que a gorjeta passe a ser destacada como remuneração e não incorporada ao salário. Na prática, isso significa que as gorjetas não servem de base de cálculo para parcela de aviso prévio, adicional noturno, horas extras e repouso semanal remunerado. Outro ponto que merece amplo esclarecimento é que os encargos trabalhistas, sociais e previdenciários não incidem sobre o valor total da gorjeta: eles incidem somente sobre o percentual já descontados até 20% no caso do Simples, e até 33% no caso das empresas fora do Simples. Por exemplo, se o funcionário receber R$1.000,00 mensais de gorjeta, os encargos incidirão sobre R$800,00 (no caso de a empresa ser enquadrada no Simples) e sobre R$670,00 (no caso de a empresa estar fora do Simples). Dito isso, para as empresas enquadradas no Simples, são estes os encargos com respectivos percentuais: Férias, FGTS (8%) e 13º salário (8,3%). Já para as empresas que não se enquadram no Simples, são estes: Férias, FGTS (8%), 13º salário (8,3%) e INSS (28%).

2. Restaurante não cobra gorjeta, como fica?

A empresa pode continuar sem cobrar a gorjeta, não há nada que impeça isso. Mas há de se observar duas situações distintas:

1ª) A empresa não sugere a gorjeta, mas permite que seus funcionários a recebam. Esta é a denominada gorjeta espontânea. Neste caso, os valores a serem retidos, os critérios de distribuição e anotação na carteira serão definidos nos acordos coletivos de trabalho. Não há nenhuma mudança no salário fixo promovida pela nova legislação. O que deve ser observado é que o salário não poderá ser inferior ao mínimo da categoria e não poderá ser pago com parte da gorjeta. Em função da indefinição dos critérios relacionados à gorjeta espontânea, a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) sugere que as empresas que “não cobravam” a gorjeta, deixando ao critério do cliente, passem a indicar o percentual. Nesta situação, a lei é clara e a insegurança jurídica é baixa. É válido frisar que a gorjeta não tem um valor estabelecido (pode ser qualquer porcentagem da compra).

 2º) A empresa não sugere a gorjeta, impede formalmente a sua cobrança e pune os funcionários que desobedecem a norma. Neste caso, a empresa não tem nenhuma alteração promovida pela nova lei, uma vez que esta era única situação em que juridicamente a não-aceitação da gorjeta era acatada pelos tribunais.

3. O projeto regula a gorjeta apenas para garçons? A forma de distribuição precisa ser registrada no sindicato?

O rateio pode ser feito entre todos os funcionários que prestam serviço direto ao consumidor final, e não somente aos garçons. A forma de distribuição será decidida em convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho. Na ausência destes, serão definidos em Assembleia Geral de Trabalhadores.

curso restaurante

4. Como fica a situação das gorjetas pagas no cartão de crédito ou débito junto com a conta uma vez que temos a despesa da taxa da operadora do cartão?

A retenção prevista em lei é para o pagamento de encargos sociais, previdenciários e trabalhistas. Os custos operacionais dos cartões são de responsabilidade das empresas.

5. No caso de 13º e férias, a empresa será obrigada a incorporar mais essa despesa na sua folha, considerando a média dos valores distribuídos como gorjeta?

Sim, 13º e férias referentes às gorjetas recebidas deverão ser pagos aos empregados. No entanto não haverá nenhum ônus para a empresa uma vez que os valores para arcar com tais pagamentos serão descontados da gorjeta paga pelo cliente.

6. A nova lei da gorjeta pode ser inclusa na folha de pagamento? E de que maneira?

Sim, a gorjeta deve ser inclusa na folha de pagamento como remuneração. A lei determina que ao final do ano, a empresa inclua na carteira de trabalho, além do salário fixo, a média dos valores de gorjeta pagos nos últimos doze meses. (Artigo 2º, Item III, parágrafo 8º). O pagamento deve ser feito direto na folha e destacado separadamente no contracheque.

7. Vou precisar cobrar 10% de forma obrigatória?

A empresa não é obrigada a cobrar o percentual de gorjeta, mas este controle é bastante complexo para evitar problemas trabalhistas. Seria necessário estabelecer um termo de conduta com todos os funcionários proibindo-os de aceitar gorjeta e haver uma fiscalização rigorosa por parte do empresário, punindo quem não cumprir a sugestão. Se na sua empresa os procedimentos acima não forem observados desde o início, a justiça do trabalho considera que a gorjeta recebida pelos empregados já estaria incorporada aos salários e a empresa já teria que arcar com todos os custos previdenciários, sociais e trabalhistas. A sugestão da Abrasel é que todas as empresas do setor passem a indicar este valor na conta (que pode ser maior ou menor que 10%), pois a lei aborda com clareza somente a gorjeta sugerida. As regras para a gorjeta espontânea não estão definidas na lei aprovada; os valores e regras desta modalidade passam a ser definidas em convenção coletiva pelos sindicatos.

8. As gorjetas dadas por fora como ficam?

Antes da regulamentação, mesmo as empresas que nunca sugeriram o valor da gorjeta na conta não estavam protegidas juridicamente. A sugestão da Abrasel é que todas as empresas do setor passem a indicar este valor na conta (que pode ser maior ou menor que 10%), pois a lei aborda com clareza somente a gorjeta sugerida. As regras para a gorjeta espontânea não estão definidas na lei aprovada; os valores e regras desta modalidade passam a ser definidas em convenção coletiva pelo sindicato.

9. As comissões e/ou gorjetas serão incorporadas ao salário fixo para efeito de rescisão?

A gorjeta não é incorporada ao salário, ela é considerada remuneração e deverá ser destacada no contracheque. As retenções previstas na nova lei para cobrir os encargos previdenciários, sociais e trabalhistas são suficientes para arcar com os mesmos, computados aí todos os custos demissionais, inclusa a multa do FGTS. Por integrar remuneração e não o salário, as gorjetas não servem de base de cálculo para parcela de aviso prévio, adicional noturno, horas extras e repouso semanal remunerado.

Fonte: http://blog.fispalfoodservice.com.br/9-perguntas-para-entender-nova-regulamentacao-da-gorjeta/

curso restaurante

Quais os motivos que mais levam os restaurantes a serem autuados pela ANVISA e como evitá-los

Postado em Atualizado em

É comum observarmos entre os noticiários que a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autuou ou até mesmo interditou restaurantes após uma fiscalização. Se engana que acha que esses procedimentos acontecem de forma isolada, são centenas de restaurantes autuados mensalmente em todo o Brasil, mas será que estes estabelecimentos são autuados devido a uma fiscalização extremamente rigorosa e injustificada por parte da ANVISA? Na realidade a grande maioria dos restaurantes que recebem algum tipo de autuação estão em desconformidade nos quesitos fundamentais e básicos para garantir a segurança alimentar em seu estabelecimento.

Nesta vídeo aula vamos entender quais os principais motivos que levam os restaurantes a serem autuados e como proceder para evitar estas ocorrências. Além disto disponibilizamos em nossa biblioteca virtual um roteiro de inspeção para avaliação das condições higiênico-sanitárias de restaurantes e bares.

curso restaurante