Últimas notícias do evento

Como aumentar o faturamento comemorando o aniversário do cliente

Postado em

O aniversário é do cliente, mas quem comemora é você.

Um dos motivos que leva o cliente ao seu restaurante para comemorar sem que seja o dia das Mães, dos Pais ou dia dos namorados é nada mais nada menos que o seu aniversário.

Surpreendentemente, os aniversários são ignorados por alguns donos de restaurantes porque são distribuídos uniformemente ao longo do ano e você acaba não percebendo que as comemorações de aniversário podem gerar um impacto muito significativo nas vendas. Quem já aposta nesta estratégia de vendas sabe que é bem rentável para o seu restaurante. Muitos restaurantes utilizam desta técnica para atrair clientes para seus estabelecimentos no dia do seu aniversário.

Se você analisar as mesas em que os clientes estão comemorando o aniversário de alguém perceberá que o ticket médio desta mesa tende a ser pelo menos 20% maior que as mesas com o mesmo número de pessoas que não estão comemorando nenhum tipo de evento.

Supondo que você consiga atrair um único cliente por semana para comemorar seu aniversário em seu estabelecimento e que a mesa deste cliente consuma pelo menos R$ 300,00 você terá um aumento de R$ 15.600 reais em seu faturamento anual considerando que o ano possui 52 semanas. Éum valor bem considerável que pode ser responsável pela folha de pagamento de 3 a 5 funcionários por um mês.

Mesmo levando em conta o dia das mães, um dos mais rentáveis no ano é pouco provável que você consiga preencher 52 mesas neste único dia, muitos restaurantes não possuem nem mesmo esta quantidade de mesas em seu salão. E veja que estamos considerando um cenário modesto com apenas um cliente comemorando seu aniversário por semana.

A estratégia dos restaurantes que investem nesta modalidade e que obtém muito sucesso com isto é captar o nome, o email e a data de aniversário do cliente deixando alguns vouchers na mesa para concorrerem a algum tipo de promoção. Quando há a possibilidade de ganhar algo os clientes são bem solícitos a fornecer este tipo de informação. Duas semanas antes do aniversário envie um email ou mensagem de texto para o cliente oferecendo uma cortesia para comemorar seu aniversário no restaurante. Pode ser um determinado número de chopps, uma sobremesa ou outra cortesia caso a mesa atinja um valor mínimo.

Veja as vantagens em atrair clientes para comemorar o aniversário em seu restaurante:

  • As mesas de aniversário possuem sempre mais clientes
  • Os tickets médios tendem a ser pelo menos 20% maiores que uma mesa tradicional
  • Muitos aniversários caem durante o meio da semana, dias em que o restaurante não recebe muitos clientes
  • Os aniversariantes tendem a trazer novos clientes para o restaurante

Os aniversários geram uma boa oportunidade para os restaurantes e se você realizar um bom trabalho de marketing nos aniversários suas vendas e seu lucro aumentarão consideravelmente.

Fonte: GR Gestão de Restaurantes

Anúncios

Restaurantes correm atrás de produtividade para sobreviver

Postado em

Depois de ver o negócio crescer o dobro do PIB brasileiro em duas décadas, donos de bares e restaurantes, como Lamberto Percussi, são compelidos a entender de gestão

De janeiro a maio deste ano, os custos de operação de uma das mais tradicionais casas de massas e vinhos de São Paulo, a Vinheria Percussi, localizada há mais de 30 anos no coração do bairro de Pinheiros, deram um salto.

Os custos com água subiram 36%, energia elétrica, 25%, gás, 19% e aluguel, 9%, na comparação com igual período de 2015. Incluindo os ingredientes, os custos do restaurante subiram 15%, em média, nos primeiros cinco meses deste ano.

Sucede que foi justamente neste período que os consumidores reduziram ou simplesmente cortaram a alimentação fora de casa. O faturamento real do Vinheria Percussi caiu 10,4% e, a margem de lucro, 31%, no período.

Diante desses números, Lamberto Percussi, sócio proprietário da Vinheria Percussi, teve de lidar com um tema que, com a crise, passou a ser essencial em qualquer negócio e que os restaurantes pouco se preocupavam: produtividade.

Percussi reduziu o quadro de funcionários de 30 para 24 em um ano, deu início a um programa para a troca de lâmpadas que consomem menos energia e passou a usar sensores.

Somente com a troca de lavanderia que estava acostumado a utilizar havia anos, obteve uma redução de 40% nos custos com o serviço para lavagem de toalhas de mesa.

“Os processos nos restaurantes brasileiros não são muito produtivos. Não existe cultura, educação para ser produtivo no Brasil. Falta mão de obra mais especializada capaz de usar equipamentos de uma forma mais eficiente”, afirma Percussi.

Levantamento com 360 restaurantes de São Paulo recém- realizado pela Sebrae-SP expõe exatamente o que Percussi tem vivido no seu dia a dia.

As duas principais dificuldades relacionadas com as finanças do negócio, de acordo com os donos de restaurantes, são arcar com os custos de energia elétrica e água, além de pagar impostos.

Fechar o mês com resultado positivo aparece em terceiro lugar nas citações dos empresários consultados, seguido por dificuldades para renovação de equipamentos e separar as contas da pessoa física e da jurídica.

O fato de o dono do restaurante ainda misturar a conta da empresa com a conta pessoal é um dos maiores indicadores da falta de profissionalização do negócio no país, de acordo com consultores especializados em alimentação fora de casa.

Passou da hora, reconhecem eles, de os restaurantes brasileiros enfrentarem a questão. Depois de 20 anos, o mercado de alimentação fora de casa, que inclui bares, restaurantes e padarias, diminuiu em 2015 e deve encolher ainda mais neste ano.

De acordo com levantamento da Abia, associação que reúne a indústria da alimentação, as vendas (já descontada a inflação) de alimentos e bebidas para o mercado de alimentação fora de casa caíram 1,7% no ano passado, para R$ 143,7 bilhões, sobre 2014.

Sérgio Molinari, fundador da Food Consulting, consultoria especializada em estudar o mercado de alimentação fora de casa, estima, para este ano, uma queda ainda maior, de 1,9% nas vendas da indústria de alimentos e bebidas para o setor.

“Durante 20 anos, as vendas de bares, restaurantes, lanchonetes e padarias vinham crescendo mais do que o PIB (Produto Interno Bruto) – cerca de 8% ao ano. Isso fez com que os donos de estabelecimentos focassem muito mais na receita do que em ferramentas de gestão”, diz Molinari.

O resultado é que a rentabilidade média dos estabelecimentos caiu entre três e quatro pontos percentuais no último ano. “Quem conseguia operar com uma taxa de lucro de 15% a 18%, agora trabalha com 11% ou 14%. Isso faz muita diferença em um negócio que é, principalmente, tocado por famílias”, diz Molinari.

Entre 2015 e 2017,entre 5% e 6% do total de bares, restaurantes, lanchonetes e padarias espalhados pelo país deverão fechar as portas por falta de competitividade.

Isso equivale ao fechamento de cerca 50 mil a 60 mil estabelecimentos – o saldo entre os estabelecimentos que abrem e que fecham no período, de acordo com Molinari.

Levantamento conduzido pela Food Consulting em fevereiro passado já apontava que 56% dos restaurantes consultados registravam redução de faturamento e de lucro. Outros 15% estavam lucrando e faturando mais, apesar da crise.

É nesse grupo, que fez a lição de casa, de acordo com Molinari, que os empresários que querem continuar competindo no setor têm de se espelhar.

“O consumidor está muito mais exigente e, com o orçamento mais apertado, ganham os restaurantes que conseguiram manter o padrão de serviço e de comida e buscaram alternativas de ingredientes e fornecedores para manter a operação saudável”, afirma.

O corte de custos, diz ele, é essencial em qualquer época, quando a economia vai mal ou vai bem, assim como o trabalho para evitar desperdícios, um dos grandes problemas dos restaurantes ainda hoje ano Brasil.

“Já cheguei a um ponto que não consigo mais reduzir a operação. Preciso de nova tecnologia para produzir mais gastando menos”, admite Percussi.

CUSTOS

O simples corte de custos, sem uma contrapartida de incremento produtivo do quadro de funcionários, pode afetar negativamente a qualidade de um serviço, de acordo com Alexandre Horta, consultor de varejo.

Se o número de funcionários de um restaurante ou de uma loja for reduzido, diz, é preciso aumentar a produtividade do pessoal que ficou para que a qualidade do serviço não se altere.

Nas pesquisas que têm feito com donos de restaurantes, Molinari diz que é nítido o despreparo dos empresários para lidar com aumentos de custos.

“O que mais assusta é ver que os gestores não realizam práticas, como, por exemplo, administrar os custos de mercadorias que vendem. Se eles vendem R$ 100 mil por mês, não sabem o custo do que estão vendendo”, diz Molinari.

As pesquisas mostram também, de acordo com ele, que, para os donos de restaurantes, investimento geralmente é custo, e não benefício para o negócio.

Neste momento, os donos de restaurantes não tem outra alternativa, se não “arregaçar as mangas e fazer o que eles menos gostam de fazer, que é cuidar da gestão do negocio.”

CARDÁPIO

A gestão de um restaurante começa pela elaboração do cardápio, de acordo com consultores do Sebrae- SP.

Depois de definido, o empresário precisa identificar a melhor forma de agilizar o processo de produção na cozinha. A estrutura física precisa ser feita de forma que haja fluidez no recebimento de produtos, no preparo e na distribuição dos pratos para os clientes.

“Se o negócio tem em seu cardápio produtos que podem ser produzidos mecanicamente ou por meio de equipamentos e menos funcionários, ele poderá ser um estabelecimento com maior capacidade produtiva e, por consequência, com maior capacidade de venda podendo ter um faturamento melhor com um custo de mão de obra mais barato”, diz Karyna Muniz, consultora do Sebrae-SP.

Para os negócios que tenham um cardápio e processos mais dependentes de mão de obra do que de equipamentos, de acordo com Karyna, é preciso levar em conta a questão da padronização dos processos por meio de treinamento e capacitação dos colaboradores e também os deveres com os colaboradores em relação às condições de salubridade no ambiente de produção.

Para que o negócio de restaurante dê certo a partir de agora, não basta gostar de cozinhar. É preciso entender de gestão.

Fonte: http://www.dcomercio.com.br/categoria/gestao/restaurantes-correm-atras-de-produtividade-para-sobreviver

 

Ideias simples e comprovadas para motivar sua equipe

Postado em

Em um restaurante podemos notar que na equipe de vendas existem colaboradores com os mais diversos perfis. Existem os que realizam suas atividades dentro dos padrões que são estabelecidos pela empresa, existem os que não se esforçam muito para isso e em alguns casos deixam um pouco a desejar e existem aqueles que são diferenciados em tudo que fazem, mostrando comprometimento e eficiência até mesmo nas tarefas mais simples.

É preciso valorizar o trabalho dos bons, incentivar a melhoria dos razoáveis para que eles também se tornem bons e demonstrar aos que possuem baixo desempenho qual é o padrão desejado para que eles compreendam que precisam melhorar.

Uma boa sugestão para isto é um programa de incentivos que premia os melhores e instigam os outros a conquistar o reconhecimento pelo seu trabalho.

Conceito: UAU!!!

Imprima pequenos cartões escrito na frente a palavra UAU!! e deixe nas mesas. Dentro do cartão há um espaço para explicar o que o atendente fez que despertou o sentimento de “Uau!!” para o cliente. Dentro do cartão também há um espaço para o cliente preencher o seu nome e telefone e também o nome do funcionário que despertou um Uau!!! Os cartões vão para um frasco e todo mês é feita a contagem do funcionário que recebeu o maior número de Uau!!!. O funcionário recebe uma gratificação pelo destaque no atendimento e um dos clientes é sorteado com um prêmio no restaurante, que pode ser um prato ou um voucher com um valor pré-estabelecido.

Conceito: Pego fazendo o bem

No conceito chamado” Pego fazendo o bem “, em um quadro de avisos, notas são escritas por gerentes e colegas de equipe sempre que eles são flagrados por outro empregado fazendo algo que se alinha com a declaração de missão da empresa ou faz algo excepcional para aprimorar a experiência do cliente.

É tão eficaz quanto um prêmio do empregado do mês, pois fornece reconhecimento imediato e público para uma ação ou realização do empregado.

O que o seu restaurante faz para recompensar suas pessoas por fazer algo excepcional?

Fonte: GR Gestão de Restaurantes

 

Smart Rede: uma máquina de cartão que pode sair cara?

Postado em

A Rede, uma das maiores empresas do ramo de máquinas de cartão no Brasil, decidiu modernizar os seus aparelhos. Ao que parece visando competir diretamente com a Cielo Lio, a Smart Rede é um misto de tablet e terminal de pagamento que traz modernidade ao seu ponto de venda.

Mas, será que esta é mesmo uma alternativa interessante para a sua frente de caixa?

Smart Rede tem design inovador

A primeira coisa que você vai notar quando vir a Smart Rede é o seu design inovador. Ela conta com duas telas, o que permite que lojistas e clientes acompanhem a transação ao mesmo tempo.

Ela vem com bateria embutida, alto-falantes (com controle de volume), câmera, microfone, porta micro USB, antena NFC, leitor de QR code e código de barras, além do leitor de cartão e impressora de comprovante de pagamento. Isso significa dizer que esta máquina de cartão está pronta para aceitar diversas formas de pagamento, inclusive as mais modernas.

O seu processador quad-core permite o uso agregado a vários aplicativos voltados para a realização e controle das atividades financeiras de seu negócio. De fábrica, ela já vem com o app Pagamentos (que permite o recebimento de pagamentos e emissão de relatórios), o app Rede (para antecipção de saldos e outras ações financeiras) e o app do internet banking Itaú Empresas.

A sua conexão com a internet acontece via 3G, Wi-Fi ou cabo Ethernet (IP banda larga) e de forma independente, pois ela já vem com chip 3G de fábrica – ou seja, ela não precisa de celular para funcionar. Porém, diferente da sua maquininha Mobile Rede, o seu tamanho e design não é ideal para mobilidade, sendo mais adequado para lojas físicas.

Máquina de cartão da Rede aceita diversas formas de pagamento

Já que esta solução parece ter vindo para substituir as tradicionais máquinas de cartão da Rede, não é de se espantar que ela conte com o amplo portfólio de cartões de crédito e débito oferecidos pela empresa.

A Smart Rede faz vendas no débito, crédito à vista, parcelamento, e também aceita voucher (cartões-refeição e benefícios) e faz recarga de celular.

As bandeiras aceitas no débito e crédito são Visa, MasterCard, Hiper, Elo, UnionPay, Cabal e Banescard; e, no crédito, você contará com Discover, Diners Club, JCB, Mais!, Coopercard, Sorocred, e Credz.

Os vouchers disponíveis precisam ser negociados diretamente com as bandeiras para habilitação e negociação de taxas. São eles: Ticket, Sodexo, VR, GrenCard, Verocheque, UpPlan, Nutricash, Cooperland, BNBclube, Cabal, Sorocred e Alelo.

Taxas e custos não estão disponíveis no site

Apesar de, do ponto de vista tecnológico, a Smart Rede parecer ser uma solução atraente, especialmente para quem atende clientes exigentes, o fato é que não se sabe se isso tudo pode acabar saindo caro.

O site da empresa não informa quais os custos e taxas envolvidos, nem se é preciso assinar contrato de locação ou qual documentação deve ser apresentada. Apenas o telefone da Central de Atendimento é disponibilizado com a informação de que a máquina de cartão está disponível apenas para algumas regiões do Brasil – sem especificar quais.

Também se sabe que é possível solicitar a antecipação de saldos de forma avulsa ou programada, além de optar pelo Plano Flex e receber as vendas no crédito após 2 dias úteis. Porém, não há maiores detalhes sobre isso em termos de procedimentos e taxas envolvidas.

curso restaurante

Fique atento

Assim, fica claro que a Smart Rede é um produto inovador, e que será interessante ver se ela ou a Cielo Lio vai se tornar a preferida das lojas físicas de grande porte.

Já para microempreendedores, pequenos empresários e autônomos, esta não deve ser uma alternativa interessante, pois é pouco provável que o seu custo total seja acessível diante de tantas funcionalidades. Ela também é muito grande para quem quer algo que possa levar no bolso ou na bolsa.

Além disso, vale ressaltar que você ficará dependente da Rede em termos de aplicativos. Ainda que desenvolvedores privados estejam sendo convidados para criar apps para a Smart Rede, o sistema sempre contará apenas com soluções aprovadas pela mesma e você poderá passar por dificuldades se quiser usar um sistema PDV alternativo, por exemplo.

Fonte: https://br.mobiletransaction.org/smart-rede/

(tags: restaurantes)

curso restaurante

CONHEÇA O MELHOR JEITO DE LIMPAR COIFA DE RESTAURANTES

Postado em

A limpeza das coifas é uma das tarefas mais difíceis e temidas pelos responsáveis dos restaurantes. Percebendo isso nas visitas dos nossos consultores técnicos aos clientes, fizemos este post para desmistificar um pouco.

Acreditamos que usando o produto certo, a técnica ideal e o equipamento correto, esta tarefa fica menos árdua. Claro que também, deve-se ter atenção com a frequência de limpeza e cuidado com o uso dos EPIs necessários.

Como limpar coifa de restaurante

A fritura e cozimento de alimentos gera a evaporação de partículas que se acumulam nas coifas. Estas partículas são formadas por vapor d´água e óleos e gorduras utilizados na fritura, que se acumulam nas superfícies das coifas, oxidam e se tornam difíceis de serem removidas. A limpeza rotineira evita o acúmulo desta gordura, mas quando o acúmulo é excessivo, é necessária uma limpeza profunda.

Produto ideal para limpeza da coifa:

Desincrustante é o produto ideal para a limpeza profunda de coifas impregnadas com gordura oxidada.

Método:

Diluir Desincrost na proporção de 20% (1:4), pulverizar sobre a superfície morna, e esfregar com fibra de limpeza. Enxaguar e enxugar com pano úmido para retirar o excesso de sujidade.

Equipamentos:

Pulverizador, de preferência com lança, para aplicar a distância e fibra de limpeza pesada.

Frequência:

Mensalmente ou quando for verificado visualmente impregnações de gordura na coifa.

EPI indicado:

Luvas até o cotovelo, óculos de proteção, avental de PVC e protetor facial.

Fonte: http://girassolquimica.com.br/wordpress/conheca-o-melhor-jeito-de-limpar-coifa-de-restaurantes/

8 DICAS PRÁTICAS PARA AUMENTAR AS VENDAS DE RESTAURANTE

Postado em

Tornar um restaurante rentável e assim sustentável, é uma necessidade. Não basta estar atento a cozinha e ter os melhore ingredientes.É preciso que existam clientes, e que vendas sejam realizadas para que o negócio funcione e boas práticas para em aumentar as vendas devem ser utilizadas. Abaixo temos uma lista de 8 ideias e técnicas para que seu restaurante venda mais e melhor.
atendimento restaurante

1 – ATENDA AINDA MELHOR

Ao entrar em um restaurante, come-se com todos os sentidos, antes mesmo de ver o cardápio. Seu ambiente deve estar preparado para vender para os olhos, para o nariz e também para os ouvidos. Higiene, iluminação, cheiros, organização e um ambiente propício para que os clientes se sintam confortáveis são cruciais. Tendo essa base e uma equipe sorridente e preparada para atender o melhor possível faz toda a diferença.

O atendimento é ponto chave para qualquer aumento de vendas em um restaurante.” Twitte isso

Ao interagir pessoalmente com seu cliente é que as coisas acontecem. Busque entendê-lo, faça suposições sobre o que ele quer de você e sempre esteja atento aos possíveis desejos dele. Ele nem sempre conhecerá suas opções ou mesmo o que pode vir a querer experimentar. Portanto, você deve ajudá-lo a encontrar o que busca. Um bom atendimento é o seu cartão cartão de visita e é fundamental para vender mais.

2 – PREPARE SUA EQUIPE PARA VENDER MAIS

Ninguém nasce sabendo atender bem, mas a prática aliada ao treinamento, pode fazer um excelente garçom ou garçonete. Como você prepara a sua equipe para atender? Eles estão efetivamente buscando vender durante o atendimento? Garçons ou garçonetes, assim como responsáveis pelo caixa e até mesmo a equipe da cozinha são vendedores e devem ser preparados para saber mostrar o quão bom são seus produtos e serviços.

Ensine-os o que podem oferecer para vender mais. Acompanhamentos, entradas, guloseimas, sobremesas ou até um cafézinho podem ser exatamente o que o cliente quer e nem ele sabe. Para vender mais é preciso oferecer mais. E para desenvolver isso, tenha momentos recorrentes de preparação, ajude sua equipe a trocar experiências. Isso irá integrá-los e ajudá-los a desenvolver suas técnicas de atendimento. Além disso, reconheça quem está se destacando e ofereça benefícios motivadores.

3 – PREPARE SUA EQUIPE PARA VENDER MELHOR

Vender melhor significa ganhar mais por uma venda. Seja ganhar mais dinheiro ou mesmo a obter a satisfação de seu cliente. Na dúvida, busque os dois. Assim, ofereça para a sua equipe boas informações sobre benefícios dos produtos e as margens de ganho em cada um. Mostre quanto dinheiro entra em cada venda realizada. Faça-os perceber que determinados tipos de produtos podem contribuir mais que outros. Ajude-os a saber o momento certo para oferecer. Talvez seus clientes queiram “o dobro de molho” e nem sabem que podem. Se ele aceitar, você ganha mais dinheiro e ainda satisfaz ainda mais seu cliente.

4 – ASSUMA QUE SEU CLIENTE QUER O MELHOR

Ele é seu melhor cliente sempre, logo, ofereça o melhor atendimento possível. Mesmo se ele –  aparentemente – apenas quiser usar a internet grátis, nesse caso, ajude-o a se sentir bem fazendo isso e ele voltará, e talvez não volte sozinho. Não julgue erroneamente ao fazer uma oferta. Se estiver com sede, quem sabe um ótimo drink? Será que ele quer algo para comer? Ofereça seu melhor petisco. Mesmo que ele não aceite, provavelmente voltará em outro momento e eventualmente comprará algo. Sugira suas melhores opções a ele e, caso a resposta seja negativa, esteja aberto para que ele diga se deseja uma opção diferente.

5 – OFEREÇA BOAS INFORMAÇÕES E SUGESTÕES

Informação é tudo, por isso, ajude seus colaboradores a lhe ajudar. Todos na sua equipe de atendimento devem conhecer os pratos que vendem. Não apenas do que são feitos. Devem saber apresentar cada um como os excelentes produtos que são. Salientando pontos fortes e marcantes dos sabores e composições. Eles sabem remontar a experiência de se deliciar com tal comida ou bebida? Uma boa apresentação dará água na boca a qualquer cliente. Ou seja, transforma o desejo do seu cliente no aumento das vendas de seu restaurante.

Além disso, comunique bem. Use cardápios visivelmente bons. Deixe claro do que são feitos os  pratos. Quanto mais descritos estiverem melhor. Ajude seus clientes a perceberem qual prato combina com qual bebida. Seja na ponta da língua, no display de mesa ou no próprio cardápio, boas sugestões devem estar ao alcance dos clientes. Eles devem ser tentados a explorar seus desejos e conhecer novos sabores.

curso restaurante

6 CRIE PROMOÇÕES

Podem ser promoções temporais ou permanentes, mas crie-as. Fazer combos de produtos são ótimos para quem prefere economizar um pouco, isso pode acontecer ao combinar diversos produtos. Você pode criar benefícios para quem trouxer mais pessoas para seu restaurante, ou quem sabe descontos para que novos pratos e sabores sejam experimentados. Seja criativo e ofereça mecanismos facilitadores da venda. Promoções não são apenas descontos, elas devem ser vantajosas  a ponto de facilitarem uma compra.

7 PARA LEVAR

Ninguém gosta muito de ficar esperando, ao passar rapidamente, talvez seja perfeito algo mais rápido que dê para comer no carro. Aquele cliente que só passa rapidinho em seu restaurante para pegar uma água pode ser um cliente em potencial. Se ele já estiver cheio, quem sabe não pode querer levar para alguém ou para si uma sobremesa. Dê a ele essa opção. Procure ofertar mais opções para que seu cliente possa comprar. Uma guloseima ao pagar a conta, por exemplo, certamente garante boas margens de lucro por venda realizada e ainda pesca o cliente rapidinho.

8 OFEREÇA MAIS

Cada restaurante tem seu formato e busca ser reconhecido dentro de seu mercado. Porém todos devem estar atentos a novas possibilidades de vender. Não só novos produtos, mas também novos modelos de venda podem vir a ser rentáveis. Um dos caminhos é o serviço de cathering, onde você leva o que oferece para fora do restaurante. Porém existem diversos  outros aptos para qualquer tipo, a tele-entrega por exemplo. Fique atento a seu redor, sua localização pode oferecer boas ideias.

Um restaurante que fecha acordos com empresas próximas para servir refeições aos funcionários pode garantir clientes fidelizados e vendas recorrentes. Ao mesmo tempo, o desenvolvimento de produtos próprios pode ter ótimas margens de lucro. É aqui e ali que você vai ganhando mais dinheiro, consumidores e aumentando as vendas. Busque sempre novas formas de vender mais.

Para isso, é preciso foco em fazer vendas. Você sabe o que acontece quando há fome: há interesse por comida. Esteja atento onde você pode gerar interesse e oferecer soluções não só para a fome e a sede, mas para desejos e necessidades. Espero que essas dicas sejam úteis a você e mais vendas aconteçam em seu restaurante. Agora, é praticar e fazer acontecer. Boa sorte!

Fonte: http://ideias.me/aumentar-vendas-restaurante/

curso restaurante

Planejamento de Cardápio para Restaurantes

Postado em

O cardápio é um dos principais responsáveis pelo sucesso de vendas de um restaurante. Seu planejamento exige técnicas e habilidades tanto na criação dos pratos quanto na apresentação do menu. Por trás de um bom cardápio há muitas metodologias implementadas, sejam elas de organização, montagem, marketing, vendas e engenharia do cardápio. O objetivo principal é despertar e aguçar o desejo dos clientes potencializando o poder de venda do cardápio. Neste Guia abordaremos os principais conceitos e técnicas para a criação de um cardápio vencedor tanto para restaurantes alla carte, restaurantes self-service e bares.

O E-book Planejamento de Cardápios auxilia na criação de cardápios para restaurantes. Pode ser utilizado tanto para novos empreendimentos quanto para restaurantes já em funcionamento que necessitam renovar seu cardápio. O manual aborda informações como a criação dos conceitos iniciais para elaboração de um bom cardápio, os tipos de cardápios, estratégias de marketing para a montagem do cardápio, layout do cardápio e uma ferramenta que auxilia a analisar a eficiencia do cardápio nas vendas do restaurante chamada Engenharia de Cardápio. Acompanha este E-book ferramentas para   Engenharia de Cardápio com geração automática dos resultados sem a necessidade de aplicar as fórmulas manualmente. O sistema de engenharia de cardápio auxilia o empreendedor a identificar quais são os pratos mais lucrativos e os pratos que geram pouco lucro e muito trabalho.

Conteúdo do Ebook

  • Principais conceitos para elaboração do cardápio
  • Análise do Público Alvo
  • Estudo da Viabilidade para o cardápio
  • Composição do cardápio
  • Rotatividade do cardápio
  • Dimensionamento da Produção
  • Per Capita
  • Cálculo da produção
  • Reaproveitamento da produção
  • O Layout do cardápio
  • Formato do cardápio
  • Características do layout do cardápio
  • Engenharia do Cardápio
  • Método de Análise do Cardápio
  • Exemplificação do Método de Análise do Cardápio
  • Planilha de Engenharia do Cardápio

cardápio para restaurante

Fonte:http://www,gestaoderestaurantes.com.br