marmitex

Restaurantes driblam a crise adotando sistemas de delivery

Posted on Updated on

O momento delicado pelo qual passa o nosso país, com o aumento da energia elétrica, água, transportes e outros custos básicos da nossa economia reflete diretamente no bolso do consumidor. Quem trabalha com alimentação fora lar como restaurantes, bares e similares também já notou a mudança no volume de vendas. O orçamento do consumidor já não permite tantos restaurantes como antes e mesmo quando decidem visitá-los agora estão mais seletivos em suas escolhas.

16072015

Há quem não abra mão de uma boa comida do seu restaurante preferido, mas o gasto com bebidas, taxas de serviços e aquela estendida até mais tarde, pois o papo com os amigos está muito bom, pode extrapolar o seu orçamento e o cliente acaba pensando duas vezes antes de sair de casa.

Foi pensando nisto que diversos restaurantes estão adotando o modelo de delivery como forma de manter seus clientes sempre por perto e ainda garantir o aumento do faturamento. Mas o modelo de delivery já existe a anos, o que o torna eficiente atualmente é a tecnologia atuando como aliada a este modelo.

Web Sites e aplicativos de delivery para restaurantes vem revolucionando este mercado, oferecendo comodidade ao cliente e eficiência para os restaurantes. Lucas Marcomini, coordenador de Marketing da Neemo, empresa fabricante de sistemas de delivery para restaurantes nos explica melhor a funcionalidade e os benefícios que este modelo pode trazer tanto para o cliente quanto para os estabelecimentos.

16072015i.png

“O sistema de delivery é uma ferramenta com funcionalidades muito atraentes, possibilita recebimento de pedidos via website e aplicativo exclusivos do estabelecimento sem cobrança de taxas por pedido, por isso a sua grande aceitação no mercado. O cardápio também pode ser incorporado a um site já existente e até mesmo utilizado como website do restaurante, apresentando detalhes como fotos, descrição detalhada do prato, variações, horário de funcionamento, localização e etc.

O restaurante recebe os pedidos em seu computador com notificações e diversos recursos de gerenciamento e o cliente também acompanha o andamento do seu pedido com o recebimento de notificações via e-mail. O principal benefício é o de explorar um mercado que está em expansão. O aplicativo de delivery tende a aproximar e fidelizar o cliente com o estabelecimento, pois o restaurante pode enviar mensagens promocionais para seus clientes e dispará-las no momento mais oportuno em dias e horários de pouco movimento.” Afirma Lucas.

Podemos observar que o delivery está se modernizando e se adaptando ao cotidiano cosmopolita, trazendo a praticidade na palma da mão, gerando novas oportunidades de negócios para restaurantes que até então não imaginavam explorar este mercado.

Colaboração:
16072015BNEEMO – DESENVOLVIMENTO MOBILE SOB MEDIDA 
Site: http://www.neemo.com.br
E-mail: comercial@neemo.com.br
Tel: (014) 3274-2087

 

banner_marmitex

A tentação do delivery

Posted on Updated on

Conceito operacional trazido profissionalmente para o Brasil na década de 80, o serviço de entrega em domicílio ou Delivery, como é conhecido, hoje está presente em parte significativa dos estabelecimentos de alimentação do país, nas mais diversas formas.

25062015

No entanto, o que para muitos pode parecer simples e natural, como entregar na casa dos clientes o que o restaurante já produz, na realidade é uma operação cara, trabalhosa e de difícil manutenção.

Considerando o fato de que o cliente do Delivery procura por conveniência, rapidez, qualidade e boa relação custo benefício, nesta ordem, é preciso o tempo todo: estar acessível, ser eficiente e rápido na operação e oferecer produto de qualidade por um preço que seja visto como justo.

Quando falo em manter-se acessível, me refiro a divulgar o estabelecimento e ter meios para atender os clientes que o procurarem. Quando falo em rapidez, me refiro a ter entregadores, equipamentos e gestão disso de forma adequada à escala pretendida. Quando falo em qualidade, me refiro a ter o produto similar ao que o cliente tem como referência no próprio restaurante e melhor do que o produto dos concorrentes, independentemente do processo de entrega. Quando falo em preço justo, me refiro a ter o melhor preço que o estabelecimento possa praticar sem que seja questionável pela depreciação que o serviço de entrega costuma gerar na experiência do cliente.

Isso tudo é possível e viável desde que se tenha consciência que o Delivery é uma operação que exige conhecimento técnico, Know How e tecnologia para ser efetivamente relevante e valer o investimento de tempo e de recursos financeiros que demanda.

É preciso saber como divulgar em uma época onde o acesso aos clientes por ações que não sejam de mídia estão cada vez mais difíceis e o tempo dos flyers e panfletos está chegando ao fim;

É preciso ter um canal de acesso para os clientes sendo que nos dia de hoje é praticamente obrigatório estar acessível pela internet e pelos aplicativos de telefones celulares;

É preciso ter profissionais específicos e treinados para o atendimento, organização e despacho de pedidos;

É preciso ter produtos próprios para entrega e suas respectivas embalagens;

É preciso ter entregadores e conhecimento das exigências legais e técnicas para prestar o serviço;

É preciso, apesar de todos os pontos mencionados acima e outros, poder praticar um preço competitivo e criar promoções de venda;

Nos últimos 20 anos, tive a oportunidade de acompanhar o mercado delivery de perto e presenciar muitos casos de sucesso e a construção de grandes negócios fundamentados exclusivamente neste segmento. Mas também testemunhei histórias de insucesso de grandes “players” que se aventuraram a entrar no segmento de entrega sem conhecer o negócio e que em decorrência disso o trataram de forma simplista.

Na maior parte das vezes, as diferenças entre os casos de sucesso e os de insucesso foram: a consciência de que o Delivery não é uma operação simples e a procura de conhecimento, aprendizado e soluções sobre a gestão e a operação do negócio.

Fonte: http://www.foodservicenews.com.br

banner_marmitex

O DISQUE MARMITEX VIROU UM RESTAURANTE

Posted on Updated on

24062014A

O programa de microcrédito da Fomento Paraná ajudou a empreendedora Laudiceia Oliveira Andrade, moradora de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, a mudar de vida em pouco mais de dois anos.

Laudiceia foi assistente administrativa na prefeitura de Pinhais por dez anos, mas deixou o emprego fixo para trabalhar como vendedora autônoma. Chegou a abrir uma sorveteria, que não prosperou devido ao clima, e os clientes sugeriram que ela entrasse no ramo de refeições e entregasse refeições para empresas.

“O disque marmitex surgiu de uma necessidade dos fregueses. Todos perguntavam por que eu não fazia refeições”, conta ela. Laudiceia sabia que seria uma boa oportunidade, mas esbarrava na falta de recursos para dar início ao empreendimento.

“Procurei uma linha de crédito barata para montar uma cozinha industrial e poder ter meu próprio empreendimento”, recorda.

E foi a Fomento Paraná, instituição financeira de desenvolvimento do Governo do Estado, que ajudou Laudiceia a transformar o que era um sonho em realidade. Ela foi à Agência do Trabalhador, onde descobriu o programa Bom Negócio Paraná, que oferece um curso de capacitação gerencial. Com o certificado do curso em mãos conseguiu financiamento da Fomento com juros ainda mais baixos. Laudiceia também se formalizou como Micro Empreendedora Individual (MEI).

Com os recursos do financiamento, equipou a cozinha e abriu o Disk Marmitex da Lau. O início do empreendimento foi tímido. “No primeiro dia, em 2013, vendi apenas 12 marmitas e deu medo”, diz ela. Mas logo a satisfação dos clientes com a qualidade das refeições se transformou em recomendação para outras pessoas e o negócio começou a crescer.

Uma nova oportunidade apareceu com uma amiga, que começou a construir um ponto comercial no endereço ao lado de onde funcionava o disque marmitex, no bairro Maria Antonieta. “Ela insistiu por quatro meses para eu abrir um restaurante. Mas era muita responsabilidade”, afirma a empreendedora, que resolveu encarar o desafio, desta vez com recursos próprios.

Em maio Laudiceia abriu o restaurante, que tem capacidade para atender até 100 clientes de uma vez. E a cada dia o número é maior. “Chego a vender mais de duzentas refeições em um dia. Não imaginava tanta demanda”, comemora Laudiceia. “Sem o crédito da Fomento Paraná, eu não teria nem começado”, afirma. “Agora já imagino o restaurante funcionando em um imóvel próprio e, quem sabe, até abrir filiais”, enfatiza.

MAIS CRÉDITO – Desde 2011 a Fomento Paraná firmou mais de 12,2 mil contratos e liberou R$ 242,4 milhões de reais para apoiar empreendedores da indústria, do comércio e do setor de serviços, além de pequenos agricultores, em todas as regiões do Estado. Desse total, R$ 94 milhões são relativos a contratos de financiamento de microcrédito (operações de até R$ 15 mil).

Podem ser financiados projetos de investimento fixo (obras/reformas, aquisição de móveis, máquinas e equipamentos); capital de giro associado ao projeto principal (mercadorias para revender e matéria-prima para produzir); e uma combinação entre capital fixo e de giro.

Os financiamentos têm prazo de 36 meses para pagamento e possuem as menores taxas de juros do mercado, variando entre 0,61% a 1,17% ao mês.

As taxas são menores para empreendedores que apresentam certificados de participação em cursos de capacitação gerencial, como o Bom Negócio Paraná, entre outros, oferecidos por entidades parceiras.

Fonte: Governo do Estado do Paraná

banner_marmitex

Alimentação fit é negócio de sucesso

Posted on Updated on

Comer bem é o lema das empresas que trabalham com um cardápio mais saudável. As opções se adaptam às preferências dos clientes

Beatriz Penaforte deu vida à empresa Amor A Liberdade Gastronômica. Vende marmitas, tortas, coxinhas e até pastéis light

09022105

De olho nas necessidades de quem quer se alimentar de forma mais saudável, há quem aposte na comercialização de produtos orgânicos e naturais. Seguindo a pegada da comida light, nascem as marmitarias fit. O cardápio é desenvolvido de acordo com as preferências e hábitos alimentares dos clientes.

“Alimentação saudável em qualquer lugar” é o lema da microempresária Juliana Maria. Ao identificar que o mercado cearense carecia de locais “especiais”, resolveu criar o Expresso Light. Trata-se de um serviço delivery de saladas. O negócio já tem dois anos. “Foi uma questão de oportunidade, porque aqui, até então, não tinha nada parecido. Fomos pioneiros no delivery de saladas. Em outras cidades, já era uma realidade bem forte. Então aliei as oportunidades ao fato de eu ser vegetariana e resolvi entrar no ramo”, explica Juliana.

Ela investiu R$ 7 mil para concretizar o projeto, que, de início, teve a cozinha da sua casa como local para produzir as saladas. Como a demanda de pedidos “bombando”, logo nos primeiros meses, foi preciso locar um espaço. Segundo ela, o retorno chegou em curto prazo. “Foi muito rápido (lucro), até pelo fato de não existir nada parecido aqui. Acredito que o mercado não esteja tão veloz, porque existem mais opções e o investimento hoje tem de ser superior”, pontua.

09022015a

Com mais de 15 opções no cardápio, de R$ 18 a R$ 24, além de sucos, saladas de frutas, molhos especiais, a Expresso Light atende 150 pedidos por dia. No período da noite, oferece sanduíches naturais e sopas, tudo sem glúten ou lactose. Para quem deseja entrar no segmento, Juliana afirma que é preciso doses de persistência. “Se você tiver coragem, abra o negócio; se tiver resiliência, permanece no mercado. Busquei informações e tive auxílio de uma nutricionista na produção do cardápio”, esclarece a jovem. O próximo passo é abrir um restaurante vegetariano no próximo ano.

Cozinha Fit

Com o objetivo ter uma alimentação mais leve, as sócias Milena Monteiro e Carolina Carvalho observaram uma janela de oportunidades para ingressar no segmento. Criaram a Integral Fit (Marmitaria Integral), que conta com dois anos de funcionamento.

Foram investidos R$ 12 mil na formatação da empresa. “No começo, iniciamos no apartamento da Milena. Foi muito difícil, porque trabalhávamos com espaço reduzido. Não tínhamos sistema próprio para fazer entregas”, lembra.

O retorno do público acerca dos produtos é significativo. Os produtos comercializados são a marmita fit, no valor de R$ 19, além de lanches saudáveis. Até coxinhas e pastéis saudáveis entram no cardápio. A Integral Fit conta com nutricionista.

Carol afirma que, para ingressar no ramo, é preciso ficar integrado com assuntos relacionados à alimentação saudável. “Tem que gostar muito de comer bem e estar sempre atento às novas formas e métodos de alimentação saudável. Gostar de seguir um plano alimentar e ver os resultados disso. Acompanhamos vários clientes que têm resultados satisfatórios. Isso nos motiva, tanto na esfera profissional quanto pessoal”.

Fonte: http://www.opovo.com.br/

banner_marmitex

Praticidade é a chave para restaurantes prosperarem

Posted on Updated on

image

Estabelecimentos faturam até 35% vendendo marmitex para trabalhadores

A cozinheira de mão cheia, Janaína Roberta Martins, 33 anos, não ficou apenas na sua cozinha preparando pratos para sua família. Junto com dois amigos decidiu abrir o restaurante X da Comida. Ao perceberem que as pessoas buscam praticidade, os sócios investiram apenas na marmitex.

O ramo cresce devido à rotina corrida e estressante da sociedade. “Atendemos principalmente trabalhadores. Todo mundo busca o que é prático até mesmo na hora de se alimentar”, diz um dos sócios da marmitaria, Daniel Rubin da Silva, 28.

Há 24 anos na área alimentícia, Marcos Roberto Domingues, 42, proprietário do restaurante Santa Gula, descreve o perfil da clientela. “Hoje as pessoas falam ao celular e almoçam ao mesmo tempo. Quem mais consome marmitex é aquele trabalhador que fica o tempo todo na rua”, destaca.

A comodidade é outro fator que faz o setor crescer. “Aos fins de semana a demanda é residencial. No dia da folga, ninguém quer cozinhar”, afirmam Daniel e Marcos.

Desempenho

E não é porque Daniel é um dos proprietários que fica de braços cruzados supervisionando o serviço dos demais funcionários. Daniel é um dos motoboys da empresa. “Estamos entregando, em média, 30 marmitex por dia. Inauguramos há dois meses e nossa intenção é crescer, para isso estamos entregando panfletos, além do boca a boca”, detalha.

Atualmente, o Santa Gula entrega 400 marmitex, atendendo principalmente empresas.

Como o restaurante não para de crescer, Marcos revela qual será seu próximo passo. “Pretendo abrir mais uma unidade no Parque São Bento. É a região que mais cresce na cidade, além de termos muitos clientes que moram lá.”

O Santa Gula nasceu na garagem de Marcos. Sua mãe ficava na cozinha, enquanto ele fazia as entregas. Para conquistar o sucesso, ele fez cursos de especialização, como gerenciamento de micro e pequena empresa, higienização e cuidados com alimentos. “A Vigilância Sanitária fica em cima, por isso é interessante conhecer todas as suas normas e, inclusive, levar seus funcionários para aprender também”, destaca.

Lucro

Os proprietários de “marmitaria” tem um ganho real entre 15% e 35%. O restante da porcentagem é gasto com aluguel do salão, pagamento de funcionários, compras de alimentos e contas de energia, água e gás.

Eles alegam que o preço da carne é o que mais pesa na hora de definir o valor da marmitex.

Para obter bom lucro no seu negócio, Marcos dá uma dica: “Compro e deixo estocado. Sou eu quem fica no caixa e faço orçamento de valores, assim vejo o que entra e sai do restaurante”, revela.

Rotina

O horário de pedidos para marmitex é feito das 11 às 13 horas. Os restaurantes desta linha funcionam de segunda-feira a sábado.

Os restaurantes servem arroz, feijão, uma mistura (sendo três opções) e uma guarnição. “Uma nutricionista montou o cardápio de marmitex. Não é só matar a fome, tem de estar bem alimentado”, reforça Marcos.

Daniel diz que as misturas prediletas do sorocabano são filé de frango, bife acebolado ou linguiça. Os valores variam em cada estabelecimento, mas está entre R$ 8 mini (cerca de 700 gramas), R$ 9 normal (850 gr) e R$ 15 grande (1,2 kg).

Marmitex é mais vantajosa

Em Sorocaba, existem cerca de 350 restaurantes, sendo que 90% vendem marmitex. O self-service perdeu a vantagem por ser mais caro, de acordo com o tesoureiro do Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes de Sorocaba, Oswaldo Arvate.

“A maioria dos estabelecimentos vende o quilo da comida por R$ 24,90. A marmitex grande, que vem cerca de um quilo, sai por 8,50. Quase três vezes o valor”, destaca.

Seria esse o sucesso do ramo de marmitex? Oswaldo garante que não é tão lucrativo, porém as pessoas se arriscam produzindo em casa. “Quem trabalha na cozinha onde se prepara o alimento para a família não conta com o registro sanitário”, lembra. “Infelizmente a fiscalização é falha. Apesar de que reconheço que é difícil adivinhar onde estão essas pessoas”, diz o tesoureiro.

O PAS (Programa Alimento Seguro), oferecido pelo Sebrae, ensina o empresário a manusear com alimentos de forma segura, livres de contaminação, valorizando a qualidade, higiene do ambiente, qualidade da água, resfriamento, estocagem e sobras.

Após o curso, o empresário já sabe como levar seu negócio para frente. Porém, é preciso também procurar a Prefeitura para fazer as inscrições obrigatórias, além de agendar as vistorias em seu estabelecimento.

Quem não atende as normas da Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) pode  ter seu comércio fechado e lacrado.

Fonte: Diário de S. Paulo – 02/04/2012

banner_marmitex